Pesquisar Neste blog

11 julho 2017

Híbridos e Mutantes: a Última Fronteira da Civilização

Quando em 1960, Manfred E. Clynes usou o termo “Ciborgue” – um ser dotado de partes orgânicas e cibernéticas – já se referia a possibilidade de se estabelecer uma conexão entre os seres humanos e as máquinas, entrelaçar mente e matéria, o que abriria uma nova fronteira para a civilização. Hoje, olhando para as possibilidades da biomecânica, da engenharia genética e da inteligência artificial, percebemos o quanto Clynes foi assertivo em suas considerações. Ora, além das questões técnicas e éticas que envolvem essa grande revolução, meu olhar deseja ir em direção a um campo pouco considerado nestas circunstâncias: as implicações espirituais e psicossociais. Que estamos diante de uma nova era, onde os seres serão meta-gênero, não há mais dúvidas, é só olhar a anatomia do que ocorre nesse tempo do ponto de vista das questões da identidade sexual. Mas o que se nos apresenta, conjuntamente, é a hibridização do ser humano com as máquinas, algo que vai alterar violentamente a maneira como a sociedade humana viverá nos próximos séculos. Será o fim da civilização como a conhecemos hoje, sobreposta que será pelo despertar de uma nova civilização. Mas qual a fenomenologia que está por trás de tudo isso? Como identificar o processo e discernir os seus desdobramentos e impactos sobre o mundo? E o mais importante: isso será bom ou ruim para as nossas vidas? Questões complexas que exigem um olhar cuidadoso, mas nós vamos em busca das respostas, olhando para as Escrituras e analisando o que Deus tem a nos revelar sobre tudo isso. Será que começamos a viver o tempo sobre o qual Jesus afirmou: “O amor se esfriará de quase todos”? Assista e tire suas próprias conclusões.

 

0 comentários:

Mais Lidos

Barra de Vídeos

Loading...

Músicas

O Que Estamos Cantando

Liberdade de Expressão

Este Site Opera Desde Junho de 2010

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Visualizações de Páginas

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More