Pesquisar Neste blog

Jesus dizia a todos: "Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me. Lucas 9:23.

10 maio 2012

Sofro de Distâncias






Cresci sozinho. A solidão sempre foi boa com­panheira, nunca me deixou só. E solidão não é au­sência de companhia, é a falta de si mesmo, é quan­do você não é um rosto na multidão, mas a multidão sem um rosto.

Nasci no tempo errado, tenho certeza. Pertenço a um mundo de impessoalidades, de pessoas indo e vindo sem saber ao certo o porquê de estarem fa­zendo tal coisa... É a era da virtualidade, da imagem. Foi-se o tempo em que existia o toque, o cheiro, o gosto. Agora tudo é digital.

Não sei se você se deu conta, mas, em nossa so­ciedade, é melhor ser singular do que plural. Au­menta a cada dia o número dos que existem sozi­nhos, dissociados. São solteiros tardios, pais sem esposas, mães sem maridos, filhos sem pais. A pala­vra “nosso” praticamente perdeu suas implicações e significados. Hoje tudo é apenas “meu”: meus so­nhos, meus projetos, minha casa, meu carro, minha cama, meu dinheiro.

Olho para tudo isso e me acho desconforme. Sinto falta de gente. Apesar de sempre ter brin­cado sozinho, ansiava por um amigo, uma compa­nhia. Tive alguns na vida, mas foram poucos. Hoje, não enchem nem uma mão. Dias difíceis... Tanta correria que não dá tempo para realizar trocas, bater um bom papo, ou mesmo ficar calado, um do lado do outro.

Moro num edifício, mas quase não conheço meu vizinho. O de cima e o de baixo não sei quem são. Mesmo depois de algum tempo, encontro gente no elevador que nunca vi. Não sei o nome dos portei­ros, dos vigias, nem dos zeladores. Gosto de ir sem­pre aos mesmos lugares, vejo gente que lá está, mas não sei de quem se trata. Na farmácia todos são anônimos. O mesmo acontece no posto de gasolina, na padaria, no pet shop e na livraria. Os rostos são familiares, mas as pessoas parecem não ter alma, são como zumbis, interagem comigo quase sem me dirigir palavras.

Como observador da existência, percebo que o fenômeno chegou também na igreja. Tudo vem se tornando impessoal. É tanta gente que não se sabe quem é quem. Alguns poucos você conhece pelo nome, todos os outros são apenas “irmãos”, mas não parecem fazer parte da mesma família. Sim, não posso chamar isso de “Corpo”, mas de uma saco­la de membros esquartejados, pois não há conexão entre as “partes”, não há ligamentos nem ligadu­ras, apenas distâncias e silêncios, sorrisos pálidos e abraços gélidos.

Fui buscar as Escrituras. Bateu-me certo deses­pero! O padrão que está lá é outro... O Novo Tes­tamento nos indica o caminho: “Sujeitai-vos uns aos outros; consolai-vos uns aos outros; amai-vos uns aos outros; saudai-vos uns aos outros; sede benignos uns para com os outros; perdoai-vos uns aos outros; exortai-vos uns aos outros; edificai-vos uns aos outros; confessai-vos uns aos outros; orai uns pelos outros; recebei-vos uns aos outros; não mintais uns aos outros; lavai os pés uns dos ou­tros; suportai-vos uns aos outros; admoestai-vos uns aos outros”. Ler isso me deu certo alento...

No meu pensar, mesmo sabendo que será to­talmente inócuo, creio estarmos quase todos na contramão! Não há Evangelho se não há o outro, pois, sem o próximo, não há caminho a ser cami­nhado. Amarei a Deus, mas não terei como ma­terializar esse amor amando o meu semelhante. É por isso que o “Pai” é “nosso” e não meu, e a igreja é reunião de “dois ou três” e não fé existen­cializada individualmente.

E assim, diante da máquina, que não ouve, não vê e não fala, termino essa noite, ou melhor, esse dia, pois já são três horas da manhã. Pela janela vejo a cidade vazia, as ruas desertas, os apartamentos no escuro. Todos agora estão descansando, cada um no seu quarto, cada qual com seu sonho, pois até dormir é solitário.

“O médico perguntou: O que sentes?
E eu respondi: Sinto lonjuras, doutor. Sofro de distâncias”.
Denison Mendes



Carlos Moreira


Mais Lidos

Barra de Vídeos

Loading...

Músicas

O Que Estamos Cantando

Liberdade de Expressão

Este Site Opera Desde Junho de 2010

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Visualizações de Páginas

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More