Pesquisar Neste blog

Jesus dizia a todos: "Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me. Lucas 9:23.

11 outubro 2010

Semeadores de Sonhos


Eu tenho um sonho. O sonho de ver meus filhos julgados por sua personalidade, não pela cor de sua pele.” A frase famosa foi proferida no dia 23 de agosto de 1963, à sombra do Memorial de Lincoln em Washington, pelo rev. Martin Luther King, para uma multidão de mais de 250 mil pessoas, que formavam a maior concentração até então vista no país a favor dos Direitos Civis.

Luther King, líder negro pacifista e pastor norte-americano, nasceu em Atlanta, na Georgia e formou-se em Teologia na Universidade de Boston. Foi o principal líder do boicote nos transportes contra a discriminação racial nos Estados Unidos que durou 381 dias.  Em 1960 ele conseguiu liberar aos negros acesso aos lugares públicos. Suas lutas resultaram na promulgação da Lei dos Direitos Civis, em 1964, e na Lei dos direitos de Voto, em 1965. Seu sonho de ver negros e brancos vivendo unidos levou-o a ganhar, em 1968, o Prêmio Nobel da Paz. Talvez, até como já se esperava, lamentavelmente, logo em seguida, foi assassinado a tiros em Memphis, no dia 4 de abril de 1968, por um branco racista revoltado com suas idéias, que havia saído da prisão.

Quais são os teus sonhos? O que é que te faz levantar todos os dias para enfrentar a maratona cansativa que é a vida? Qual é o combustível que te move e te faz existir? Do que é que você alimenta a tua alma nos dias sombrios da existência? Mário da Silva Brito escreveu em 1916 “sonho, logo existo”. O filósofo e pensador, escritor do livro de Eclesiastes, diz que Deus colocou a eternidade no coração do homem. Parafraseando-o, eu diria: “Deus nos deu o maior dos motivos para sonhar”.

Todos os progressos obtidos pela humanidade vieram através de homens e mulheres que se dispuseram a sonhar. Thomas Edson estava cansado das velas, sonhava com um tipo diferente de luz. Grahambell queria falar a distância, Gutemberg pensava em livros em série, Pasteur queria aliviar as dores das pessoas, e Santos Dumond achou que já havia andado muito sobre a terra, agora queria voar como os pássaros. Jack Kerouac, falando deste espírito impetuoso de algumas pessoas, afirmou: “Alguns os vêem como loucos, nós os vemos como geniais. Porque as pessoas loucas o bastante para acreditar que podem mudar o mundo, são as que o mudam.".

Viver sem sonhos é ser empurrado pela mesmice um dia após o outro. Tenho visto uma coisa estarrecedora neste tempo: uma Igreja que não possui sonhos! Onde estão os patriarcas dos nossos dias sonhando com a terra prometida? Onde estão os profetas dos nossos dias sonhando com o messias? Onde estão os apóstolos dos nossos dias sonhando com a construção da Igreja e a evangelização do mundo? Deixe-me fazer uma confissão: estou farto de tanta realidade, de tanto pragmatismo!  Deixe-me, portanto, sonhar, por favor!

Talvez alguém me responda: ah, pastor, os sonhos dos nossos dias são outros... São sonhos de consumo, do Audi A4, do apartamento na Barra, da viagem a Europa, do iate ancorado no píer da marina. São sonhos de sucesso, de uma carreira bem sucedida de executivo de multinacional, de faturar milhões num grande empreendimento, do emprego público bem remunerado. Pastor, os sonhos de hoje são outros: é o desejo de cuidar da estética, é o dinheiro para a lipoaspiração, que embeleza o corpo ou, quem sabe, para a plástica corretiva, que modela o rosto. A verdade, é que se sonha com tudo, menos com os sonhos de Deus! E Deus tem sonhos? Tem! Só não tem tido quem os semeie sobre a Terra.

Há um personagem no livro de Josué que me impressiona e me inspira: Calebe. Com 40 anos de idade foi enviado a espiar a terra que Deus prometera dar ao povo Hebreu, logo após a saída do Egito. Ele olhou para aquele lugar e sonhou em possuí-lo. Olhou para a cidade de Hebron, a cidade alta, uma cidade que ficava no cume de uma montanha e afirmou para si mesmo: “você será minha”. Mas a Terra prometida mais parecia com uma casa do BNH, tinha sido dada, mas era preciso tirar o “invasor” que estava lá dentro. Calebe, todavia, não se ateve aos obstáculos, não se amedrontou diante dos gigantes. Ao contrário, desprezou as impossibilidades, desconsiderou que ali havia homens de guerra, mas apenas creu que Deus poderia lhe dar aquela terra, como prometera, e guardou aquele desejo.

Numa primeira leitura do livro de Josué, você pode, equivocadamente, imaginar que a conquista daquela terra foi fácil, uma arrancada avassaladora do povo Hebreu baseada em ações militares prodigiosas e estratégicas. Entretanto, não foi assim. Na verdade, a conquista foi lenta, e nem tudo foi conquistado. Em várias situações, houve a necessidade de se fazer aliança com os povos que ali já estavam para que a sobrevivência pudesse ser garantida.

Mais eu gostaria de resgatar alguns trechos da conversa de Calebe com Josué, o homem que havia substituído Moisés no comando do povo, após eles haverem entrado na terra prometida. Tratava-se de dois amigos de longa data, companheiros de lutas e de batalhas. Alegorizando o texto, posso eleger alguns elementos que transformam homens e mulheres comuns em pessoas que semeiam sonhos no chão da vida.

Js. 14:7 “Quarenta anos tinha eu quando Moisés, servo do Senhor, me enviou de Cades-Barnéia para espiar a terra, e eu lhe trouxe resposta, como sentia no meu coração”. OS SONHOS DE DEUS NASCEM NO CORAÇÃO. Deus não faz surgir sonhos em meio a metas pré-fixadas, a planejamentos elaborados, a estratégias e estatísticas mensuradas. Não. O sonho nasce primeiro no coração, não importando quão difícil seja para executá-lo. Aliás, normalmente, este tipo de sonho é sempre impossível de tornar-se algo concreto. Apenas a ação de Deus é que poderá trazê-lo a realidade, para que a glória seja sempre dEle, e de mais ninguém. Sonhos nascem no coração porque precisam, em primeiro lugar, de paixão para ser executados, não de estultícia ou sabedoria, eles precisam de um tipo de devoção que só se encontra no coração dos apaixonados, dos que se acham comprometidos com os propósitos de Deus.  

Js. 14:8 “Meus irmãos que subiram comigo fizeram derreter o coração o povo; mas eu perseverei em seguir ao Senhor meu Deus”. OS SONHOS DE DEUS SE ALCANÇAM PELA PERSEVERANÇA. Calebe tinha uma visão construída em sua mente. Ele sonhava com aquela montanha e iria possuí-la a qualquer custo. Ele não se impressionou com o que as pessoas falavam, não se deixou influenciar pelas notícias, pelas avaliações pessimistas, pelas análises catastróficas. Vejo as pessoas em nossos dias... Elas pedem algo a Deus e já desistem na semana seguinte porque não obtiveram o que desejavam. São incapazes de superar obstáculos, de não se ater as circunstâncias, apavoraram-se com os “gigantes”, no seu conforto, na sua letargia religiosa, jamais perseveram em prol de um objetivo maior. Não podem orar nem cinco minutos por dia, a Bíblia lhes dá coceira nas mãos. E assim, casamentos vão por água abaixo, filhos são perdidos para as drogas, empresas vão à falência, ministérios são interrompidos, igrejas são fechadas. Esquecem-se o que diz as Escrituras: “o que perseverar até a morte receberá a coroa da vida”. Sonhadores são pessoas perseverantes!

Js. 14:9 “Naquele dia Moisés jurou, dizendo: Certamente a terra em que pisou o teu pé te será por herança a ti e a teus filhos para sempre, porque perseveraste em seguir ao Senhor meu Deus”. OS SONHOS DE DEUS SÃO FIRMADOS POR PROMESSAS. Calebe sabia que aquela montanha seria sua porque Deus havia jurado em entregá-la a ele. Deus não é homem para mentir, nem filho do homem para se arrepender. Se Ele prometeu, irá cumprir. Quais são as palavras que influenciam a tua vida? As previsões da bolsa de valores? Os juros da economia? O preço do ouro? Uma promessa feita por um político, por um amigo, por seu patrão? Não acredito em cristãos que não conhecem as Escrituras, que não se debruçam sobre a Palavra de Deus para discernir aquilo que Ele nos prometeu. Os sonhos de Deus não se alcançam porque as circunstâncias são favoráveis, mas porque Ele disse que assim seria. Em todas as promessas de Deus há um “sim”, e o Seu justo viverá, sempre, pela fé, pois, se retroceder, o Espírito de Deus não estará nele. Gosto da frase de Fernando Teixeira: “nós somos do tamanho dos nossos sonhos”. Por isso encontramos tantos gigantes profissionais e, ao mesmo tempo, tantos pigmeus espirituais.

Js. 14:10,11 “E agora eis que o Senhor, como falou, me conservou em vida estes quarenta e cinco anos, desde o tempo em que o Senhor falou esta palavra a Moisés, andando Israel ainda no deserto; e eis que hoje tenho já oitenta e cinco anos; ainda hoje me acho tão forte como no dia em que Moisés me enviou; qual era a minha força então, tal é agora a minha força, tanto para a guerra como para sair e entrar”. OS SONHOS DE DEUS GERAM PROPÓSITOS PARA A EXISTÊNCIA. O que se pode esperar de um homem de 85 anos? Que ele queira subir uma montanha para desalojar uma cidade estabelecida? Você sabia que quando Calebe disse estas palavras os Anaquins – povo constituído por gigantes – habitavam a cidade de Hebron? Mas nada era obstáculo para ele, pois sua vida perseguia aquele objetivo, aquela meta, aquele alvo. Sim, aquele homem tinha um motivo para se levantar todos os dias. Ouso afirmar: quem não tem sonhos para sonhar, não tem motivos para viver. Vejo as pessoas sonhando com coisas fúteis e, quando as conseguem, ficam sem referencial na vida. São sonhos de coisas passageiras, coisa que a traça e a ferrugem consomem. De que vale ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma, disse Jesus. Por isso, Robert de Montesquiou afirmou: “da-me, Senhor, o sonho meu de cada dia”.
    
Js. 14:12-14 “Agora, pois, dá-me este monte de que o Senhor falou naquele dia; porque tu ouviste, naquele dia, que estavam ali os anaquins, bem como cidades grandes e fortificadas. Porventura o Senhor será comigo para os expulsar, como ele disse. Então Josué abençoou a Calebe, filho de Jefoné, e lhe deu Hebrom em herança. Portanto Hebrom ficou sendo herança de Calebe, filho de Jefoné o quenezeu, até o dia de hoje, porquanto perseverara em seguir ao Senhor Deus de Israel”. OS SONHOS DE DEUS TÊM A BENÇÃO DE DEUS. Quem poderia resistir a Calebe, um homem com um sonho de Deus no coração? Quem poderia parar aquele homem que aos 85 anos ia em busca do sonho de uma vida inteira? Ele não olhou para a montanha, para os gigantes, para as circunstâncias, para as impossibilidades. Apenas creu que poderia vencer e subiu a guerrear. Onde estão os Anaquins que lutam contra você? Quais são as cidade fortificadas que precisam ser destruídas? Quais adversários precisam ser subjugados. Eu profetizo, em nome de Jesus, hoje, comece a sonhar e conquiste a Hebron da tua vida!

Albert Schweitzer escreveu: “A tragédia do homem é o que morre dentro dele enquanto ele ainda está vivo”. Eu tenho vergonha de pertencer a uma geração tão apática, tão conformada, tão anestesiada, que se “enquartela” dentro de suas igrejolas e fica vendo o tempo passar. Uma igreja que não sai às ruas, que não tem causas, que tem carismas, mas não tem caráter, que tem sonhos mesquinhos, toscos, pálidos, pueris, fúteis. Vejo os jovens, eles estão perdidos, sem líderes, sem referencial, sem sonhos! Onde estão os Calebes dos nossos dias? É tempo de sonhar! Sonhemos antes que seja tarde demais...

Carlos Moreira

Mais Lidos

Barra de Vídeos

Loading...

Músicas

O Que Estamos Cantando

Liberdade de Expressão

Este Site Opera Desde Junho de 2010

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Visualizações de Páginas

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More