Pesquisar Neste blog

Jesus dizia a todos: "Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me. Lucas 9:23.

26 maio 2014

Carta Aberta a Presidente Dilma Rousseff



Exma. Sra. Presidente do Brasil, 

Como cidadão brasileiro, senti o desejo de compartilhar com a Sra. alguns dos meus sentimentos e convicções mais profundos. Apesar de saber que a Sra. não lerá est
a carta e, se lesse, provavelmente, não a responderia, segue o meu desabafo, expressão da minha alma, pois pouco me resta fazer.

Eu não votei na Sra, presidente. Também não votei no seu partido. E não votei porque não me convenci sobre o seu projeto, não abracei as suas idéias. E isto se deu, não porque eu seja de direita, ou de centro, pois, desde que muros e “impérios” ruíram, na década de 1980, entendi que as ideologias estavam sendo, juntamente com eles, sepultadas. Portanto, tento votar na proposta que entendo ser a melhor para a sociedade, independente da sigla que o candidato carregue.

E qual é o motivo de minha indignação, Sra. presidente? Ora, eles são tantos, que uma carta não poderia abrigá-los. Por isso, vou me ater ao evento que estamos para receber nos próximos dias em nossa nação: a Copa do Mundo de Futebol da FIFA.

É com imensa tristeza que presencio a humilhação a qual o meu Brasil está sendo submetido por causa desta que é, sem dúvida, a maior de todas as competições do planeta. Sim, discirno sem ingenuidades que aqueles que organizaram o evento, dentre eles, obviamente, o Governo Federal, se esmeraram ao extremo na prática de safadezas, de negociatas, na corrupção, nos desmandos, no “jogo de comadres”, no “toma-lá-dá-cá”, práticas essas já tão costumeiras em meu país.

Os desmandos são tantos e em tantas áreas distintas, desde o planejamento, passando pelo projeto, até a execução e operação, que enumerá-los seria tarefa hercúlea. Aquilo que foi feito sem o devido “esquema”, aparece todos os dias nos jornais e meios de comunicação como sendo o maior estupro que a nação, talvez, já tenha sido vítima.

O derrame de dinheiro gasto em obras faraônicas, super-faturadas, em nada ajudará o meu país, ao depois. Os estádios, que são o maior legado da competição, não foram feitos para a grande maioria de nossa população, que é pobre e miserável e, sendo assim, só servirão a uma pequena camada da classe média. Outras tantas obras, anunciadas pela Sra. e pelo seu governo, juntamente com o arrobo praticado por governadores oportunistas, além de não terem sido executadas, jamais o serão.

A minha desventura, Sra. presidente, é ver que, as vésperas de um evento desta magnitude, nós brasileiros, ao invés de celebrarmos e nos orgulharmos de nosso país, temos que nos encolher de vergonha. Sim, pois quem tem um mínimo de dignidade e amor pela justiça e pela verdade, não pode tapar os olhos e os ouvidos ao que está acontecendo.

Dá muita indignação ver o país exposto em notícias nos quatro cantos do mundo. Somos capa de revistas, jornais, aparecemos na internet, nas rádios, na TV, sempre como protagonistas da safadeza e promotores da corrupção, todos desmandos que envolvem a Copa do Mundo. É desalentador ver que uma oportunidade tão grande, foi desperdiçada com tamanho descaso.

Eu sei que uma Copa do Mundo de Futebol não se faz com hospitais, como afirmou o nosso Ronaldo “fenômeno”. Ingenuamente, ele disse a coisa certa, da forma errada e na hora errada. Mas eu não sou ingênuo, Sra. presidente. Sei como as coisas funcionam... Já perto dos 50 anos de idade, com três formações, uma na área de exatas, duas na área de humanas, 30 anos de profissão no segmento de tecnologia, empresário há 20 anos, posso fazer análises adequadas sobre a situação.

Eu compreendo, obviamente, que os estádios precisavam ser construídos ou reformados. Estou convencido de que as parcerias e os investimentos do governo eram necessários. Sei também que uma Copa da FIFA, talvez, não seja prioridade de um país de 3º. mundo, mas penso que qualquer gestor mediano é capaz de perceber os inúmeros benefícios e oportunidades que um evento desta magnitude pode produzir, direta e indiretamente ao anfitrião que o receber, desde que, bem administrado.

De fato, a Copa do Mundo não se faz com hospitais, Sra. presidente, mas pode gerar hospitais. E não apenas eles, mas poderia produzir, desde que fosse interesse de seu governo, escolas, habitação, segurança, e tudo o mais que o brasileiro se acostumou a ver como artigo de luxo, mas que figura como basicalidades para os países desenvolvidos.

E como essa “mágica” poderia ser feita, seria uma pergunta legítima? Ora, não com o dinheiro dos estádios, mas com todo o dinheiro que um evento desta envergadura faz circular no país! Com os impostos pagos pelas empresas que estiveram envolvidas na construção, nas telecomunicações, nas obras de transporte, dos aeroportos, nos muitos movimentos da mídia e da publicidade, no turismo, só para citar, de forma simplista e resumida, algumas atividades econômicas que foram “oxigenadas” em função do evento.

Melhor do que eu, presidente, a Sra., como excelente gestora que é, sabe o quanto de receitas adicionais foram geradas, da ordem de bilhões de reais, as quais poderiam ter sido empregadas em obras básicas para nossa população. Mas ao invés disto, o que nos sobrará será continuar a ver, todos os dias, os corredores dos hospitais superlotados, as delegacias infestadas de presos, os ônibus e metrôs sendo depredados, as casas sem saneamento, todas situações insalubres ao ser e desrespeitosas para com a vida e a dignidade humana.

Presidente Dilma, a Sra. teve, talvez, uma das maiores oportunidades de projetar o Brasil nos últimos dois séculos. Nós poderíamos ter dado ao mundo lições de nossa competência, de nossa criatividade, de nosso vigor! Sim, a Copa poderia ter sido usada com mais inteligência, pois poderia ter resgatado nossa auto-estima, e esse benefício, apesar de intangível, promoveria desdobramentos tão profundos que só se poderia medir se acontecesse de fato.

Eu sei que, se ganharmos a Copa, os “proventos” políticos serão enormes e, quem sabe, isto impulsione sua já consolidada campanha à reeleição. Contudo, ao depois, o povo se aperceberá de tudo, pois o “porre” de alegria vai passar, e assim será possível ver que, do “pão e circo”, nada sobrou.

Eu acredito que, se fosse do interesse do governo, e se fosse prioritário, a Copa do Mundo poderia ter gerado ganhos de toda sorte para o país. Poderíamos, com os meios de que dispomos, ter promovido um grande canteiro de obras em nossas Cidades-Sede, obras realizadas com transparência, sendo acompanhadas de forma eletrônica em portais públicos.

Se fosse conveniente, os Tribunais de Contas, o Ministério Público, as empresas de Planejamento e Consultoria teriam sido convocados/contratadas para promover o melhor aproveitamento dos recursos, com o menor custo possível, e com as mais bem sucedidas práticas de gestão. Nós teríamos dado um verdadeiro show! Sim, essa seria mesmo a “Copa das Copas”...

Vou finalizar, Sra .presidente, pois quase ninguém lerá esta carta, nem mesmo, provavelmente, meus amigos. Brasileiro, como se sabe, não gosta de ler e ela está por demais extensa. Mas eu tinha de falar, Sra. presidente, estava com um nó na garganta e um buraco na alma. Fui simplista no que expus, eu sei, mas já dará para perceber que, nem sou inocente, nem estou confortável com tudo isto.

Presidente Dilma, como se sabe, a Sra., recentemente, foi portadora de um câncer. Também é sabido que foi tratada e, graças a Deus, está curada de sua enfermidade. Houve um homem na bíblica sagrada, um governante, que, certa vez, também enfermou. Ele foi visitado pelo profeta Isaías que foi lhe avisar que ele iria morrer. Seu nome era Ezequias.

Aterrorizado com aquela notícia, o Rei foi para o seu quarto e chorou amargamente. Desesperado, pediu ao Deus de Israel que o livrasse daquela doença mortal. Enquanto ainda orava, Isaías, o profeta, recebeu a ordem de retornar ao palácio e anunciar que o Todo-Poderoso havia se compadecido de sua alma e, pelo seu clamor, lhe daria mais 15 anos de vida.

Eu gostaria tanto, presidente, que a Sra. tivesse feito o mesmo com a sua vida! Não sei quantos anos o Senhor da Terra e dos Céus ainda lhe reserva, mas espero que sejam suficientes para lhe levar a refletir sobre sua vida e suas escolhas. Minha oração, presidente, não é para que Deus lhe castigue, pois isso seria grande ingenuidade minha, mas para que Ele lhe ascenda à consciência e lhe proporcione arrependimento.

Eu acredito, presidente Dilma Rousseff, que a Sra desperdiçou uma grande oportunidade de entrar para a história deste país. Sim, acredito que a Sra. poderia alvejar um pouco a mancha de seu partido, o PT, que hoje está com boa parte do seu “staff” preso em prisões de nosso país por conta de corrupção e safadeza. Eu creio plenamente que a Sra. poderia nos dar esperanças, nos alimentar a alma de sonhos, mas, desgraçadamente, a Sra. pouco ou nada fez quanto ao que aí está, diante dos seus e de nossos olhos.

Com todo respeito que a Sra. merece, presidente, lhe escrevo esta carta, pois independente de tudo, a Sra. é a minha presidente. E lhe envio, pelas redes sociais, através da internet, para que ela ganhe alguma “voz”. Seu conteúdo reflete as dores e percepções de um homem de meia idade, já calejado da vida, que crê no Evangelho e na salvação do homem, no perdão dos pecados e na vida eterna, mas que já não acredita mais no seu país. Eu amo o Brasil, mas odeio o que vocês fizeram com ele.

Com reverência por sua vida e sua alma, subscrevo-me, cordialmente,


Carlos F. S. Moreira, um brasileiro
.

24 maio 2014

Sempre Fará Sentido se Você Tiver Sentido


Virei mundos atrás de um fôlego de vida, mas a maior viagem que fiz foi mesmo para dentro de mim. Andando por ruas desertas encontrei imagens que o tempo apagou, todas estampadas em letreiros desbotados, sucatas da alma, fantasmas moribundos, já não assombram mais, morreram de tristeza e desgosto.

Eu já fui um e já fui muitos. Fui pedaço, partido, perdido, fui inteiro, certeiro e conciso. Andei em voltas, fiz revoltas, espalhei pedras e grafei palavras. Se soubesse pintar e tivesse um pincel de pintor, eu faria quadros e retratos, deixaria marcas em paredes lisas e pálidas. Mas como se diz: meu ofício é outro.

A sabedoria do silêncio não compensa a angústia da solidão, pois quem observa estrelas jamais construirá calçadas. Na régua da vida, uma noite não é nada: nem um traço, nem um paço, apenas espaço. E foi por muita insônia que descobri que há homens que nascem prontos, já outros, precisam fazer-se, camada a camada, sobreposições cuidadosamente esculpidas no tecido dos dias.   

A rima do poeta é mimética, suave, mas o texto do cronista é angústia. Nada é pior do que falar e não dizer, juntar palavras, mas não expressar. Flexionar o verbo é fácil, usa-se a regra como álibi. Difícil é imprimir-lhe significados, resgatar os sentidos que rasgaram a carne no êxtase do instante.

O drama do tempo é ter memória, pois recordar é sofrer duas vezes o mesmo mal. Se não me faço entender é porque, ou você andou pouco, ou dormiu demais. No fundo, o que me aflige, são os modelos prontos, pois percebi que o cemitério da mente está nas prateleiras das lojas. Pegue, pague, peque, tudo é rotina, tudo é rapina, devaneio e desprazer. 

Se eu pudesse, ao invés de andar para frente, andaria para trás. No futuro, posso fazer ainda mais tolices do que fiz até agora. Voltando ao passado, todavia, talvez fosse capaz de concertar erros que ficaram gravados na imensa lousa de bronze. Mas o relógio, como se sabe, é obtuso em seu trabalho, nunca se cansa, nem reclama, segue devorando tudo, até mesmo o tempo.


Se eu juntasse as peças, talvez, a figura do esboço ficasse mais clara. Mas há pedaços em todos os cantos, até embaixo do sofá! Por isso é melhor ir no improviso, tateando entre ruas desertas e becos sem saída. No final, se não for como desejava, não devo ficar chateado. Como imaginava, quem foi que disse que havia alguma garantia? 

Carlos Moreira

16 maio 2014

Congregar é Preciso!



Você já se perguntou qual foi o motivo que levou Jesus a criar um grupo de discípulos para anunciar o Reino de Deus? E mais... Por que ele os mandou fazer o mesmo após sua ressurreição? Por que não saiu sozinho pelo mundo, de cidade em cidade, de aldeia em aldeia, pregando, ensinado e curando?

Outra coisa: por que precisava de recursos, de gente para ajudar financeiramente – na grande maioria mulheres – de “tesoureiro” para cuidar das receitas, de pessoas que se preocupassem com a hospedaria – quando possível – ou um cenáculo – para um encontro mais íntimo, ou ainda a casa de um amigo na cidade de Betânia, para um pernoite? Por que ele, sempre que podia, ensinava nas sinagogas e não se furtou, também, de ir ao templo?

Ora, eu acredito que Jesus nunca foi contra essas coisas e sua liberdade não o tornava um ser descompromissado. Ele não era ligado à religião, nem estava preso ao sistema do templo, não se encaixava nas políticas do sinédrio, mas sabia que não dava para ser um errante transloucado gritando nas ruas sem qualquer foco ou objetivo. Definitivamente, não era como Diógenes de Sinope, o filósofo grego que discursava nas praças e morava num barril.

É certo que havia uma estratégia naquilo que o Galileu fazia, por mais imperceptível que ela pudesse parecer. Quando Paulo menciona os discípulos na ressurreição, revela-nos que, além dos doze apóstolos, havia também os setenta, os cento e vinte e os quinhentos! Obviamente, era necessário um mínimo de organização para acomodar tudo isto.

Eu percebo ordem e método em muitas outras questões. Quando, por exemplo, Jesus quis treinar setenta destes discípulos, enviou-os de dois em dois, com instruções detalhadas sobre o que fazer e o que não fazer. Não era uma ação desordenada, apesar de ser simples, não era atabalhoada, apesar de ser leve.

Por que você acha que Jesus foi para a Judéia, depois para a Galiléia? Era tudo obra do acaso? Por que escolheu, inicialmente, pregar para os Judeus? Não tinha ele um objetivo? Ou você imagina que Jesus era um sujeito alienado andando conforme as “marés”? A verdade é que ele nunca foi contra a organização, mas contra o enquadramento, a normatização burra, a estatização da espiritualidade. Em Jesus somos livres, não irresponsáveis!

Confesso que me espanta os extremos nos quais a igreja está enredada nestes dias... Por um lado, um aquartelamento institucional, gente presa entre quatro paredes, alienada de tudo, manipulada por lobos em forma de pastores, totalmente distante da mensagem do Evangelho. Eles são vítimas da engrenagem pesada, que gira em função de si mesma, obsoleta em seus propósitos e dessignificada em seus objetivos.

Mas, por outro lado, há uma geração se formando em nosso meio com um entendimento que está totalmente equivocado! Eles falam de uma dita “liberdade” que exclui o indivíduo de tudo, pois não é mais preciso congregar, nem ofertar, nem ter compromisso com o outro, nem ser ensinado, nem participar da ceia, da imposição de mãos, das orações e da adoração. O que tem que ser feito é feito, se possível for, no “caminho”, sem qualquer compromisso com nada.

De certo, eu creio que a fé é uma experiência que se põe em prática nas dinâmicas da vida, mas isto não exclui, em absoluto, a necessidade de nos congregarmos! E para se congregar é necessário, por mínima que seja, alguma organização. 

Eu sei que em decorrência da estrutura, podem surgir problemas como a hierarquização, a “militarização”, a institucionalização, que são doenças que destroem a igreja. Mas isso não me exclui da responsabilidade de ser parte efetiva do Corpo de Cristo! Eu não sou um braço ou uma perna perambulando sem destino. Sou membro deste Corpo e sigo as instruções da Cabeça, que é Cristo! O Corpo não está esquartejado! Ele tem unidade em tudo o que realiza.

O ajuntamento e a organização são necessários e indispensáveis. Pequeno grupo, grande grupo, grupo com ações locais, grupos com ações de longo alcance, grupos pastorais, grupos missionários, grupos de oração, grupos com ações de cidadania, grupos com maior ênfase na adoração e oração e grupos direcionados a obras humanitárias. Todos são, ao mesmo tempo, Corpo e parte do Corpo, não importando se são feitos de dois, três ou de trezentos. O que os qualificará como igreja continuará sempre sendo o fato de Jesus estar ou não no meio deles.


Carlos Moreira

Mais Lidos

Barra de Vídeos

Loading...

Músicas

O Que Estamos Cantando

Liberdade de Expressão

Este Site Opera Desde Junho de 2010

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Visualizações de Páginas

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More