Pesquisar Neste blog

Jesus dizia a todos: "Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me. Lucas 9:23.

16 julho 2019

Nada é mais Terrível do que Ser "Terrivelmente Evangélico"

“Terrivelmente evangélico”. O que significa o termo? O que quer dizer? À primeira vista, alguém arraigado, disciplinado, fiel as leis e aos costumes que fazem parte desta confissão, o indivíduo que guarda os valores e princípios de uma parcela de cristãos que hoje representa cerca de 48,0 milhões de pessoas em nosso país. “Terrivelmente evangélico” designa o sujeito que optou pela ortodoxia doutrinária, pela plástica comportamental, pelos rigores das etiquetas estéticas, pela interpretação literal do texto sagrado. Ser “Terrivelmente Evangélico” é ser, por exemplo, contra a homoafetividade, a heteronormatividade, a liberdade de culto de outras crenças, sobretudo as de matriz africana, e a possibilidade de que Deus salve outras pessoas que não as que fazem parte de seu grupo. Para ser “Terrivelmente Evangélico” você tem que colocar a bíblia acima da ciência, tem que acreditar em fantasias supostamente espirituais, em transes catárticos, em profecias mirabolantes, em visões esquisitas e, pior, enfatuadas, no dogmatismo, no fundamentalismo, na teoria da conspiração, em análises geopolíticas hegemônicas, em triunfalismo belicioso, em teocracia política, e no fato de que “meninos vestem azul e meninas vestem rosa”. Mas, acredite, tudo isso que estou colocando aqui ainda é muito pouco para definir o que, de fato, seja ser “Terrivelmente Evangélico”. Essas questões, por assim dizer, são miudezas, são apenas a epiderme de um fenômeno muito mais profundo, complexo e, aí sim, terrivelmente poderoso em sua capacidade de destruir pessoas. Quer saber mais? Assista a mensagem!


 

09 julho 2019

A Vida é Feita de Escolhas, Faça as Suas e Viva com Elas

A maioria das tragédias humanas não são repentinas, são construções demoradas, levam anos até se estabelecerem como tal. Eu olho para a vida de algumas pessoas que me procuram e posso antever, com boa dose de precisão, que se elas continuarem fazendo as escolhas que fazem, em alguns anos, vão viver tragédias anunciadas. A verdade é que decisões mudam a vida, para melhor ou para pior, e vão se sedimentando no solo do cotidiano dos dias, algumas são reversíveis, outras insuperáveis. Você sabe tomar decisões? Baseado em que você as toma? Está decidindo certo, neste momento, sobre algo importante? Quer aprender princípios sobre como decidir bem na vida? Assista a mensagem! Se gostar, compartilhe! CM

 

A Vida é Feita de Escolhas, Faça as Suas e Viva com Elas

A maioria das tragédias humanas não são repentinas, são construções demoradas, levam anos até se estabelecerem como tal. Eu olho para a vida de algumas pessoas que me procuram e posso antever, com boa dose de precisão, que se elas continuarem fazendo as escolhas que fazem, em alguns anos, vão viver tragédias anunciadas. A verdade é que decisões mudam a vida, para melhor ou para pior, e vão se sedimentando no solo do cotidiano dos dias, algumas são reversíveis, outras insuperáveis. Você sabe tomar decisões? Baseado em que você as toma? Está decidindo certo, neste momento, sobre algo importante? Quer aprender princípios sobre como decidir bem na vida? Assista a mensagem! Se gostar, compartilhe! CM

 

17 junho 2019

Bem-Vindo ao Fim do Mundo!

Ocorrido no último dia 31 de maio, o brutal assassinato do menino Rhuan, praticado por sua mãe e pela companheira dela, está cercado de detalhes bizarros e requintes de crueldade. Diante da tragédia, somos convocados a refletir sobre quais fenômenos estão por traz da incidência, cada vez maior, de casos de psicopatia em nossa sociedade. Analisando, mais detidamente a brutalidade da morte, cabe fazermos a pergunta: será que chegamos ao “Fim do Mundo”? Poderia o ser humano piorar mais do que o estágio atual? Seria possível haver mais dessignificação de alma, mais dessensibilização de coração e desumanização do que o que já alcançamos? Na verdade, o tema do “Fim do Mundo” não só é um mito presente na história da civilização, como também um tabu, ele é crido por uns e desprezado por outros, é desejado e evitado, causa pânico e pacificação. Fato é, que toda geração deve esperar o “Fim do Mundo”, ainda que ele jamais chegue de fato. Na história da humanidade, muitos foram os que trataram deste tema, entre eles profetas, místicos, sensitivos, pensadores e cientistas. A cada tempo, sinais daquilo que revelaram se cumpre, fazendo com que a espiral do cataclismo final se adense de forma, aparentemente, irremediável. Um bom observador, não necessariamente religioso, certamente constatará que estes dias que vivemos se encaixam dentro de tudo aquilo que já foi predito sobre a extinção da raça humana, não há mais nada a se cumprir, guerras, um planeta agonizante, mortandades, fome, pestes, alterações celestes, a Terra parece estar madura para, de fato, ser destruída. Diante de tudo isso, e sabendo que o funil do tempo chegou na cinza das horas, há uma única pergunta que se revela essencial: o que ainda podemos fazer? Você está preparado para o “Fim do Mundo”? Assista a mensagem e faça a sua própria reflexão.


 

Mais Lidos

Músicas

O Que Estamos Cantando

Liberdade de Expressão

Este Site Opera Desde Junho de 2010

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Visualizações de Páginas

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More