Pesquisar Neste blog

Jesus dizia a todos: "Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me. Lucas 9:23.

18 novembro 2010

Evangelho Anticorpos


Uma série de doenças contagiosas sempre assolou a humanidade desde os seus primórdios. Surtos de Peste Negra como o de 1347 a 1350 que dizimou boa parte da população européia do mundo medieval deixam em pânico a sociedade e até bem pouco tempo atrás causaram bastante estrago pelo mundo a fora.

Algumas dessas doenças podem ser causadas por bactérias, fungos, protozoários e outras ainda pela ação nociva dos vírus. Graças a Deus e a sua sublime inteligência manifesta na natureza o corpo humano é capaz de desenvolver mecanismos de defesa contra os agentes etiológicos (organismos causadores de doenças) através dos anticorpos.

As células do sistema imunológico produzem os anticorpos responsáveis por combater as patologias e impedir a morte do indivíduo infectado. A produção de anticorpos também pode ser colocada em marcha pela administração de vacinas que estimulam o sistema imunológico no cumprimento de sua função.

E o que tem o evangelho a ver com essa pequena aula de biologia? Percebi que aquilo que é bom para o corpo em se tratando de doenças endêmicas e epidêmicas é ruim para a religião quando se trata de “pregação do evangelho”.  Talvez você continue perguntando que relação existe entre estas duas coisas.

Eu explico. Enquanto no ser humano a própria exposição ao agente etiológico é benéfica porque estimula a produção de anticorpos impedindo a grande mortandade de pessoas afetadas  por um vírus ou uma bactéria, no evangelismo é exatamente o contrário que acontece.

Quanto mais as pessoas forem submetidas a uma pregação vazia, monótona e sem verdadeiro e profundo significado espiritual, mais resistente a ela se tornará. Aquilo que estamos fazendo e intitulando de pregação do evangelho não passa da estimulação do ateísmo e da proliferação de “anticorpos” contra a própria igreja.

Encontro diariamente com dezenas de pessoas em todos os lugares que embora mantenham um respeito solene e nostálgico quanto à pregação evangélica não querem em hipótese alguma freqüentar uma igreja por que já desenvolveram “anticorpos”, defesas contra a mensagem pregada por evangelistas entusiasmados que se aventuram debaixo do sol escaldante do domingo.

Nenhum ser humano sensato e medianamente instruído tolera uma mensagem tão banal como a pregada normalmente pela igreja. Jargões amplamente disseminados por igrejas neopentecostais e tradicionais como “Deus é bom e Jesus é fiel”, “aceite Jesus pra ir morar no céu”, “Deus sabe todas as coisas”, “Jesus tem um plano para a sua vida”, “conta o teu problema a ele”, tudo isso já não surte mais efeito nas pessoas.

Estas frases feitas que deveriam servir para evangelizar prestam na verdade um desserviço à igreja evangélica brasileira. O problema é que o homem contemporâneo,  acossado pela quebra de paradigmas e pela confusão pós-moderna, não é atingido por essa mensagem superficial cujos jargões são repetidos em cultos de oração sem sentido e em treinamento de evangelistas pouco eficientes.

A igreja está clamando no deserto, jogando palavras ao vento, atirando em um alvo que não existe, lutando contra moinhos de vento pensando que são dragões. As pessoas estão dia após dia se tornando mais invulneráveis a este tipo de mensagem estereotipada e vazia que comunica apenas tradições eclesiásticas e não o verdadeiro evangelho de Jesus Cristo.

Certos evangelistas não passam de caricaturas bizarras de leviatãs eclesiásticos que mesmo pensando que estão colocando ordem no caos estão apenas destruindo o restinho do que sobrou da igreja brasileira. Se ainda restava alguma possibilidade de fé no coração das pessoas estes arautos das frases feitas estão dizimando-a.

Como resolver este problema? Renovando aquilo que nós chamamos erradamente de igreja, repensando o evangelho, buscando o seu sentido mais profundo e se arrependendo de ter feito da estrutura eclesiástica um palco de lutas políticas e currais eleitorais, derrubando pastores profissionais que destroem o rebanho com as suas mentiras e voltando ao primeiro amor!

André Pessoa via Século XXI

Mais Lidos

Barra de Vídeos

Loading...

Músicas

O Que Estamos Cantando

Liberdade de Expressão

Este Site Opera Desde Junho de 2010

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Visualizações de Páginas

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More