Pesquisar Neste blog

Jesus dizia a todos: "Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me. Lucas 9:23.

27 julho 2009

Sagrado e Profano?


Quando iniciei minha vida religiosa disseram-me que eu deveria priorizar sempre as coisas espirituais e deixar em segundo plano aquilo que fosse “secular” (mundano, não-sacro, não-espiritual). Ensinaram-me desde cedo que atividades como ir a igreja, ler a Bíblia e participar de cultos eram atividades de natureza espiritual, enquanto que outras como trabalhar, freqüentar a faculdade, visitar um amigo, assistir televisão e passear no shoping eram mundanas.

Quinze anos depois não acredito em nada disso mais. Essa segmentação do cotidiano, esse dualismo cartesiano com roupa cristã não corresponde aquilo que lemos na Palavra de Deus, nem muito menos ao que Jesus Cristo ensinou. Uma coisa é o que Deus fala, outra coisa é o que os homens dizem que Deus fala.

Em primeiro lugar, essa divisão arbitrária e equivocada feita entre sagrado e profano, levou muitas pessoas a desprezar atividades que, embora não revestidas de um caráter religioso imediato, no final acabam contribuindo para o bem estar espiritual e para a comunhão com Deus.

Em segundo lugar, a divisão feita entre atividades sagradas e profanas desvinculou a responsabilidade espiritual de esferas importantes da vida como trabalho, estudo, lazer e convivência com os amigos, resultando na formação de pessoas com dupla personalidade: uma para “usar” nos ambientes sacros e outra para uso “secular”. Pura esquizofrenia!

O terceiro resultado dessa ilegítima divisão entre sagrado e profano repercutiu diretamente na classificação dos pecados. Pecado e não-espiritualidade passou a ser sinônimo de ingestão de bebidas alcoólicas, tabagismo e sexo antes do casamento, enquanto que atitudes abomináveis diante de Deus como inveja, arrogância, fingimento, hipocrisia, injustiça e outras barbaridades geralmente não são consideradas faltas graves.

Enfim, não acredito nessa separação perniciosa entre sagrado e profano porque o dia-a-dia me ensinou que mesmo dentro de um templo os homens podem estar agindo carnalmente e movidos pelo diabo, mesmo usando a Bíblia, alguns indivíduos podem estar semeando a mentira; enquanto que às vezes a experiência mais simples do cotidiano pode revestir-se de intensa espiritualidade quando vivida com intenso amor e respeito ao próximo.

André Pessoa

Cabeleira do Zezé


Eu não era nem nascido quando, em 1963, a marchinha de carnaval “Cabeleira do Zezé” foi composta. Nesta época, no Brasil, o uso masculino do cabelo comprido não era aceito, motivo pelo qual a música foi escrita. A canção fez um sucesso extraordinário, sobretudo pelo bordão do refrão que dizia: “Corta o cabelo dele! Corta o cabelo dele!”.

Pois bem, acredite se quiser, mas esta semana eu ouvi uma história bizarra que me lembrou, dentre outras coisas, a “Cabeleira do Zezé”. Ë mais um “causo evangélico”, dentre tantos outros que tem me assustado. Deixa eu contar...

Um músico amigo, membro de uma igreja protestante tradicional, foi, como de costume, tocar no “culto de oração”. Menino novo, estiloso, cheio de pra-que-isso, trazia na cabeça um penteado maneiro, desses com trunfinha na frente, e o resto todo arrepiado. Demais!

Quando o brother estava afinando o seu instrumento, ávido por fazer aquilo que sente prazer na vida, louvar a Deus com coração agradecido, usando da melhor forma o talento que recebeu, a mulher do pastor se aproximou e lhe disse: “olha aqui, você não vai tocar no culto com este cabelo não, viu! E mais, isto é ordem do pastor! Se quiser participar da reunião, vá lá fora, arrume este penteado, e volte para cá”. O menino ficou assustado; os outros músicos, apavorados, mas ainda é possível se achar pureza e inocência em meio a este mar de hipocrisia e farisaísmo. Assim, o pobre coitado retirou-se, foi ao banheiro, e, mesmo contrariado, desmanchou o topete encapetado! Tá amarrado!

Lembrei dos Gregos... Eles entendiam a “sociedade apolínea” como aquela que reverenciava o padrão de perfeição como algo meramente estético, divinizando a medida da harmonia e da bela aparência, em detrimento dos princípios éticos e morais. Era o culto a forma, ou, conforme Nietzche, o “nada em demasia”. Jesus também tratou da questão do “existir para fora” em, praticamente, todos os seus sermões. Nas conversas e encontros humanos então, nem se fala. No episódio da “figueira sem fruto”, fica evidente sua indignação. Uma exegese simplista do texto nos mostra o cenário sob o qual se deu a “maldição da figueira”.

É domingo e o profeta de Nazaré da Galiléia, passando por Betfagé, se dirige a Jerusalém. Sua entrada na cidade é um acontecimento apoteótico e Ele, já do lado de dentro, se dirige, imediatamente, ao Templo. Numa demonstração de profunda contrariedade, derruba e quebra mesas, cadeiras, tabuleiros, e expulsa cambistas e outros comerciantes que ali se encontravam. O Templo de Herodes, diferentemente do que deveria ser, não era um lugar de sacrifícios pelos pecados e de culto ao Deus de Israel. Pelo contrário, ali existia um ambiente muito mais econômico do que religioso. Ao redor do templo, e mesmo dentro dele, havia toda sorte de comércio. Vendiam-se animais para sacrifício, comidas para ofertas e libações, fazia-se câmbio de dinheiro e outras coisas mais.

Na verdade, o que menos existia ali era culto a Deus. Naquele lugar mítico e, supostamente sagrado, se experimentava apenas o desenrolar de ritos estéreis, que não podiam produzir nenhum significado para o ser e, por isso, não geravam desdobramentos para vida. Era, na verdade, um estelionato da fé, uma hipocrisia da religião, um desdém do sagrado, uma banalização do divino e, certamente por isso, Jesus agiu da forma que agiu. As pessoas tinham aparência de piedade, mas eram vazias de conteúdos. Era, no fundo, uma falsificação barata...

Tão parecido com nossos dias... Passam-se os tempos, mas a falsidade e hipocrisia humana permanecem para sempre. Corta o cabelo dele! Tira o menino do momento de adoração porque o cabelinho do rapaz não está de acordo com o “padrão estético evangélico”. Besteira! Coisa de fariseu! Essa religião produz morte, e não vida! Tira o menino do louvor porque ele não está de conformidade com nosso “modelo de santidade”, como se espiritualidade tivesse a ver com plasticidade performática. Gente, isso é loucura!

Corta o cabelo dele, grita a multidão de “santarados” ensandecida! Muda por fora, pois, nesta dimensão de adoecimento da razão que dá legitimidade a fé, é impossível que o ser mude por dentro. Deixa parecer, mesmo sem ser. Não importa que o coração esteja afundado na amargura, nem que a alma sucumba em meio à intolerância, a maledicência e ao egoísmo. Não importa, nem mesmo, que a consciência cauterize-se pela via da presunção e do julgamento, pois, o que vale mesmo é o “estereotipo abestado” deste ser que existe apenas para si mesmo, não conseguindo discernir nem o outro nem a Deus. Tira a trunfa, grita a mulher do pastor! Faz um novo penteado, diz o “ministro” do sagrado! Este aí, é do capeta!

Fico pensando: o que podemos esperar de uma igreja que prefere a estética cultural de uma religião caduca, as verdades e valores que procedem de um coração pacificado pela graça de Deus em Cristo Jesus? Aonde mais poderemos chegar? Triste, irmãos, não tenho dúvidas, muito triste. Mas, como dizia o velho Chico, “a gente vai levando”...

Sola Gratia!

Carlos Moreira

Mais Lidos

Barra de Vídeos

Loading...

Músicas

O Que Estamos Cantando

Liberdade de Expressão

Este Site Opera Desde Junho de 2010

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Visualizações de Páginas

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More