Pesquisar Neste blog

27 outubro 2011

É Meu e Ninguém Tasca!




"Vivo cercado de padres e sacerdotes que dizem que seu reino não é deste mundo, no entanto, agarram tudo que podem." Napoleão Bonaparte


Se existe uma palavra que nos ajuda a compreender o tempo em que vivemos esta palavra é “competição”. Uma sociedade voltada para a produção e o consumo tem na competição o seu motor de propulsão.


Tudo compete com todos: os continentes competem uns contra os outros; os países competem uns contra os outros; as empresas e instituições competem umas contra as outras; as pessoas competem entre si. E é óbvio, o objetivo da competição é alcançar a vitória; ninguém, em nosso tempo, está interessado em ser o segundo lugar.


Se há uma frase que pode ser considerada clichê na história recente da sociedade humana é “o importante não é ganhar, mas sim competir”. Para refletir a verdade existencial que encarnamos todos os dias, a frase deveria ser dita da seguinte forma: “o importante não é competir e sim ganhar!”.


Vivemos num mundo feito apenas para os campeões! É mais importante vencer no mundo do que vencer o mundo. Ai daqueles que fracassarem! Ai de quem quebrou profissionalmente, caiu em depressão, foi surpreendido em adultério, ou está algemado há algum tipo de vício. Ai de quem não tem condições de ir regularmente a Europa, ou usar roupas de marca, quem não mora em um suntuoso apartamento, ou não tem mais de um carro importado. Se você se encaixa em alguma destas situações, ai de você!


Mas o trágico mesmo é quando a competição chega a Casa de Deus. Sim, igrejas competindo com igrejas, ministérios lutando entre si, pastores tentando superar seus “oponentes”, membros obcecados por manter “posições” institucionais. Fato é que práticas empresarias tornaram-se não só comuns, mas desejáveis no Corpo de Cristo.


Você duvida? Observe, então, se os fiéis não são tratados como clientes e os sacerdotes como executivos? Na verdade, o “sagrado” sempre foi o melhor de todos os negócios! Nos dias atuais, transformamos a fé em produto commoditizado e as igrejas em “balcões de prestação de serviço” religioso.


Já há muito, Templos deixaram de ser local de adoração e culto e passaram a ser ambiente de entretenimento, uma espécie de cirque du soleil eclesiástico. Quem tiver as melhores idéias, quem prover a melhor infra-estrutura, quem oferecer a melhor “programação”, os melhores “efeitos especiais” e, sobretudo, quem detiver as mais incríveis “atrações”, sai como “vencedor” na “captura” do fiel. Mas lembre-se: ninguém pode relaxar, pois uma coisa é conquistar o “cliente”, outra, todavia, é fidelizá-lo.


Por isso meu “mano”, procure outra pessoa para enganar! Esse que está lendo meu texto eu vi primeiro, já é meu, e ninguém tasca!

Carlos Moreira

2 comentários:

A internet tascou meu comentário de ontem aqui...rs Até apareceu o comentário, mas agora vi que sumiu.

Você tem como achar aí, Carlos?

Patrícia.

Irado esse texto pasto. valeu mano.amém.Rico.

Mais Lidos

Barra de Vídeos

Loading...

Músicas

O Que Estamos Cantando

Liberdade de Expressão

Este Site Opera Desde Junho de 2010

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Visualizações de Páginas

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More