Pesquisar Neste blog

03 agosto 2009

Não Sou um "Ministro"


Essa semana descobri porque sempre me senti mal usando os títulos que a igreja evangélica atribui aos que dela fazem parte. É muito simples: quase todo o linguajar utilizado no meio eclesiástico é de natureza política e eu não sou um político.

Gosto muito de ser chamado de professor, mas abomino a palavra ministro. Ministro é um cargo político; um ministério é uma atribuição que tem mais a ver com Brasília do que com Jesus Cristo.

Um ministro é um burocrata, um especialista em questões diplomáticas, coisa que nem de longe eu sou. Não existe ministério nenhum na igreja nem nunca existiu.

Os apóstolos nunca foram ministros porque não defendiam nenhuma visão política embora fossem, muitas vezes, tentados a isso. Em um ministro quem opera é a sagacidade política e não o Espírito Dinâmico de Deus.

Essa e outras palavras deveriam ser banidas do vocabulário cristão. As palavras que usamos denunciam a nossa teologia, apontam para aquilo que cremos e nos dizem no que nos tornaremos.

Não é sem motivo que certas igrejas capitalistas cristãs falam tanto em prosperidade, oferta, dono do ouro e etc. As palavras não mentem!

Existe coisa mais absurda do que uma sessão administrativa na igreja. O problema é que nós tomamos as palavras gregas que compunham o N.T. ao pé da letra, em seu sentido mais literal e fundamentalista.

Termos como epískopos (supervisor, vigia) eram só um símbolo de algo maior que um administrador. Trocamos o significado pelo signo, o sentido pela palavra, e a letra mata! Meros administradores não precisam ser chamados por Deus, são encontrados em qualquer faculdade.

A política está matando a igreja de Cristo, por isso é preciso suprimi-la em suas formas nocivas. Igreja não é tribuna política nem plenário de congresso para servir de plataforma para políticos versados no maquiavelismo. Xô demônio, fora bandidos!

André Pessoa

1 comentários:

Fui pesquisar a origem da palavra Ministro e descobri que a palavra ministro vem do latim minus, menor. Antigamente, o ministro era um simples criado. Aquele que executava as tarefas menores na casa de seu senhor. Ou minister, aquele que serve, geralmente a mesa. O mundo é que está dando uma outra conotação para a palvra tanto na política quanto nas igrejas. Prefiro lembrar de João 17:15 - Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal. Como sou separado por Deus, prefiro ser ministro ou melhor servo do Senhor.

Mais Lidos

Barra de Vídeos

Loading...

Músicas

O Que Estamos Cantando

Liberdade de Expressão

Este Site Opera Desde Junho de 2010

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Visualizações de Páginas

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More