Pesquisar Neste blog

06 julho 2015

Financie sua Alma e Pague os Juros com a Vida

Em tempos de moratória internacional, endividamento empresarial e mercado em crise, fico impressionado mesmo é com aqueles que, para bancar as demandas de uma alma aflita e compulsiva, financiam supérfluos com juros escorchantes, asfixiam o coração com a agiotagem da própria vida. Desgraçadamente, eles pagam o passivo do ser com a falta de alternativas na existência. Não paro de ouvir e atender pessoas amputadas em suas emoções, fastiosas de esperança, sequestradas por circunstâncias perversas criadas a partir de escolhas dramáticas, impulsos produzidos por ambições e pela tirania da felicidade. Assisto estupefato indivíduos sendo empurrados para fazer o imponderável, desde que isso produza algum tipo de prazer. É, na realidade, o culto ao capricho, a divinização das coisas, a banalização do sacrifício feito no altar das conveniências, a impermanência de tudo o que é duradouro pela imposição do imediato. Sim, são essas coisas que nos roubam a possibilidade de amar e de viver o bem de cada dia com pacificação e alegria. Como você está enfrentando este tempo? No que repousa sua confiança? Quais são suas prioridades na vida? São questões complexas e desafiadoras que eu quero analisar, junto com você, neste mensagem.
 

0 comentários:

Mais Lidos

Barra de Vídeos

Loading...

Músicas

O Que Estamos Cantando

Liberdade de Expressão

Este Site Opera Desde Junho de 2010

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Visualizações de Páginas

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More