Pesquisar Neste blog

04 fevereiro 2015

Assim Você me Mata



Uma das coisas que eu mais queria fazer em Paris era ir ao Museu do Louvre. Mesmo sem poder ficar o tempo necessário, uma vez que não dá para ver 35 mil obras numa manhã, ao menos, algumas das mais famosas, como “La Gioconda”, a “Vênus de Milo” e “A Pietà”, eu veria.

Portanto, no primeiro dia na Cidade Luz, caminhei do hotel até o Louvre, cerca de 20 minutos, para usufruir de um banho de cultura e história. E o museu não decepcionou! Foram horas de encantamento e estupefação. A cada corredor, esculturas, quadros, objetos, fragmentos da capacidade de criação do homem no decorrer dos séculos. Ali estavam culturas entrelaçadas – grega, romana, egípcia, persa – era uma overdose de sensações e sentimentos.  

Pois bem, depois de certo tempo andando, subindo e descendo escadas, me deu vontade de fazer xixi. Segui acompanhando as placas informativas e cheguei a um lugar onde se podia fazer necessidades fisiológicas, mas era pago. Confesso: aquele foi o xixi mais caro da minha vida, € 2,50, ou seja, cerca de R$ 9,00.  Como se diz: "A necessidade tem cara de herege".

Quando entrei no toilette, entretanto, algo inusitado aconteceu! Enquanto estava concentrado, fazendo aquele xixi que, diga-se de passagem, era o xixi da minha vida, não só pelo preço, mas, sobretudo, pelo Louvre, comecei a ouvir ao fundo uma certa canção, sim, aquela que traz em sua “poesia” a estrofe: “Ai, se eu te pego, ai, ai, se eu te pego”. Acredite: eu estava no museu mais famoso do mundo, na cidade de Paris, fazendo xixi e ouvindo Michel Teló com sua música: “Ai Se eu Te Pego”.

Como bom roqueiro, o choque foi imediato. Pensei comigo: “Meu Deus! Saí do Brasil e vim ao Louvre para ouvir Michel Teló?!”. Mas não havia como negar, era o próprio. Na melodia pobre, ele sussurrava com voz de deboche: “Assim você me mata”. E eu? Bem, eu resmungava baixinho comigo mesmo: “sim, assim você me mata!”.  

Terminei o que estava fazendo, lavei as mãos e o Michel cantarolando: “Ai, ai, se eu te pego”. Enquanto ruminava a situação, lembrei de George Orwell, escritor inglês, que afirmou: “A massa mantém a marca, a marca mantém a mídia e a mídia controla a massa”. Sim, era inevitável a contestação de que, com a globalização, a mídia, mais do que nunca, passou a moldar a cultura, definindo aquilo que as massas vão consumir.

Como se sabe, no capitalismo de mercado, o que importa não é se o que vai ser vendido é bom ou ruim, mas apenas, se vai ter escala, ou seja, pode ser uma merda, contanto que venda! É assim que funciona a indústria da música, dos cosméticos, da alta costura, enfim, o mercado gira em torno daquilo que é consumido e é a mídia quem faz a engrenagem girar.

Eu, pessoalmente, detesto massificação. Eu sou aquele cara que, certa vez, curtiu o fato de meu Pai me levar a um alfaiate, na rua da Imperatriz, para ele me fazer duas calças de gabardine sob medida. Na verdade, a industrialização, como fenômeno de transformação do século XVIII, mudou não só a forma de fazer as coisas, mas, concomitantemente, moldou a forma de como essas coisas seriam consumidas. Daí por diante, o paradigma contemporâneo passou a ser: se todo mundo usa, eu tenho que usar também, mesmo que isso seja a mais pura idiotice.

Por fim, paguei a conta do xixi e fui andando pelos corredores do Louvre, com o Michel Teló na “cabeça”... Findo o tempo de que dispunha, saí do museu e me dirigi à estação do metrô para o próximo compromisso. Enquanto descia as escadas rolantes, comecei a ouvir algo... Era uma harmonia robusta, com cordas ao fundo, um som cativante. Avancei ansioso pelo corredor e, finalmente, deparei-me com uma violinista solitária, tocando as “Quatro Estações” do compositor italiano Vivaldi, a troco de algumas poucas moedas.

Segui meu caminho, peguei o trem, sempre pontual e permaneci pensando: “Como é possível ouvir, na rádio francesa, Michel Teló, que, indubitavelmente, é um sucesso mundial, enquanto, no corredor do metrô, Vivaldi ressoa de forma tão desprestigiada? A resposta, caro amigo, foi muito óbvia e simples: “Tempos Modernos!”, como diria o Chaplin. Eu, contudo, segui conjecturando: "Assim vocês me matam"...


© 2015 Carlos Moreira
Outros textos podem ser lidos em http://anovacristandade.blogspot.com

0 comentários:

Mais Lidos

Barra de Vídeos

Loading...

Músicas

O Que Estamos Cantando

Liberdade de Expressão

Este Site Opera Desde Junho de 2010

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Visualizações de Páginas

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More