Pesquisar Neste blog

16 maio 2014

Congregar é Preciso!



Você já se perguntou qual foi o motivo que levou Jesus a criar um grupo de discípulos para anunciar o Reino de Deus? E mais... Por que ele os mandou fazer o mesmo após sua ressurreição? Por que não saiu sozinho pelo mundo, de cidade em cidade, de aldeia em aldeia, pregando, ensinado e curando?

Outra coisa: por que precisava de recursos, de gente para ajudar financeiramente – na grande maioria mulheres – de “tesoureiro” para cuidar das receitas, de pessoas que se preocupassem com a hospedaria – quando possível – ou um cenáculo – para um encontro mais íntimo, ou ainda a casa de um amigo na cidade de Betânia, para um pernoite? Por que ele, sempre que podia, ensinava nas sinagogas e não se furtou, também, de ir ao templo?

Ora, eu acredito que Jesus nunca foi contra essas coisas e sua liberdade não o tornava um ser descompromissado. Ele não era ligado à religião, nem estava preso ao sistema do templo, não se encaixava nas políticas do sinédrio, mas sabia que não dava para ser um errante transloucado gritando nas ruas sem qualquer foco ou objetivo. Definitivamente, não era como Diógenes de Sinope, o filósofo grego que discursava nas praças e morava num barril.

É certo que havia uma estratégia naquilo que o Galileu fazia, por mais imperceptível que ela pudesse parecer. Quando Paulo menciona os discípulos na ressurreição, revela-nos que, além dos doze apóstolos, havia também os setenta, os cento e vinte e os quinhentos! Obviamente, era necessário um mínimo de organização para acomodar tudo isto.

Eu percebo ordem e método em muitas outras questões. Quando, por exemplo, Jesus quis treinar setenta destes discípulos, enviou-os de dois em dois, com instruções detalhadas sobre o que fazer e o que não fazer. Não era uma ação desordenada, apesar de ser simples, não era atabalhoada, apesar de ser leve.

Por que você acha que Jesus foi para a Judéia, depois para a Galiléia? Era tudo obra do acaso? Por que escolheu, inicialmente, pregar para os Judeus? Não tinha ele um objetivo? Ou você imagina que Jesus era um sujeito alienado andando conforme as “marés”? A verdade é que ele nunca foi contra a organização, mas contra o enquadramento, a normatização burra, a estatização da espiritualidade. Em Jesus somos livres, não irresponsáveis!

Confesso que me espanta os extremos nos quais a igreja está enredada nestes dias... Por um lado, um aquartelamento institucional, gente presa entre quatro paredes, alienada de tudo, manipulada por lobos em forma de pastores, totalmente distante da mensagem do Evangelho. Eles são vítimas da engrenagem pesada, que gira em função de si mesma, obsoleta em seus propósitos e dessignificada em seus objetivos.

Mas, por outro lado, há uma geração se formando em nosso meio com um entendimento que está totalmente equivocado! Eles falam de uma dita “liberdade” que exclui o indivíduo de tudo, pois não é mais preciso congregar, nem ofertar, nem ter compromisso com o outro, nem ser ensinado, nem participar da ceia, da imposição de mãos, das orações e da adoração. O que tem que ser feito é feito, se possível for, no “caminho”, sem qualquer compromisso com nada.

De certo, eu creio que a fé é uma experiência que se põe em prática nas dinâmicas da vida, mas isto não exclui, em absoluto, a necessidade de nos congregarmos! E para se congregar é necessário, por mínima que seja, alguma organização. 

Eu sei que em decorrência da estrutura, podem surgir problemas como a hierarquização, a “militarização”, a institucionalização, que são doenças que destroem a igreja. Mas isso não me exclui da responsabilidade de ser parte efetiva do Corpo de Cristo! Eu não sou um braço ou uma perna perambulando sem destino. Sou membro deste Corpo e sigo as instruções da Cabeça, que é Cristo! O Corpo não está esquartejado! Ele tem unidade em tudo o que realiza.

O ajuntamento e a organização são necessários e indispensáveis. Pequeno grupo, grande grupo, grupo com ações locais, grupos com ações de longo alcance, grupos pastorais, grupos missionários, grupos de oração, grupos com ações de cidadania, grupos com maior ênfase na adoração e oração e grupos direcionados a obras humanitárias. Todos são, ao mesmo tempo, Corpo e parte do Corpo, não importando se são feitos de dois, três ou de trezentos. O que os qualificará como igreja continuará sempre sendo o fato de Jesus estar ou não no meio deles.


Carlos Moreira

0 comentários:

Mais Lidos

Barra de Vídeos

Loading...

Músicas

O Que Estamos Cantando

Liberdade de Expressão

Este Site Opera Desde Junho de 2010

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Visualizações de Páginas

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More