Pesquisar Neste blog

14 maio 2013

Sem Noção!




Ouvir pessoas é algo, ao mesmo tempo, prazeroso e penoso. Dá prazer porque você pode ajudar a resolver questões, não raro, simples, que machucam e angustiam os indivíduos. Penoso porque você sofre com o sofrimento de quem se expõe e abre as feridas feitas pela vida.

É nesse processo de escuta terapêutica que compreendemos o que acontece entre os cristãos. A esmagadora maioria dos problemas tem a ver com questões onde o bom senso resolveria. Mas também são muitos os casos onde se percebe o total desconhecimento de princípios elementares do Evangelho os quais, uma vez aplicados a existência, tornariam a vida melhor e mais leve.

Em conversas pastorais, ao questionar sobre a leitura das Escrituras, identifico que quase a totalidade dos entrevistados nunca leu, sequer, o Novo Testamento. Pessoas com cinco ou dez anos na “fé” afirmam que nunca leram um livro inteiro da Bíblia, nem mesmo um dos Evangelhos!

O fenômeno que surge em decorrência desta atitude revela um pouco do substrato da igreja em nossos dias. Em primeiro lugar, temos uma massa de indivíduos facilmente manipulados, pois ela não possui qualquer argumento para confrontar ou refutar as ideias que lhes são transmitidas.

Em segundo lugar, surge a “hegemonia da tradição”, que torna verdade aquilo que foi construído a partir da cultura. Foi assim, por exemplo, que se estabeleceu que não se pode comer carne na semana santa. Em nenhum lugar das Escrituras encontramos isso, pelo contrário, Jesus afirmou que não é o que entra pela boca que contamina o homem, mas o que procede do coração.

Em terceiro lugar, temos o problema da interpretação. A Reforma Protestante prestou um enorme bem à cristandade quando colocou a Bíblia ao alcance das pessoas. Por outro lado, fez surgir um mal quase que incontornável: a questão de como os textos passaram a ser interpretados.

A Escritura Sagrada possui diversos tipos de linguagem, foi escrita dentro de uma cosmovisão específica, num contexto cultural, econômico, religioso, filosófico e político totalmente diferente do nosso. Além disso, aproximadamente 40 autores participaram deste processo, o que a torna ainda mais heterogênea e eclética. Portanto, interpretar este livro e trazer seus ensinamentos, ressignificado-os para o nosso tempo, não é tarefa fácil.  

Por outro lado, não conhecer os conteúdos e os princípios da fé leva as pessoas a sempre serem infantis em sua espiritualidade. A priori, ou elas são manipuladas por estelionatários ou fundamentalistas, ou passam a ser guiadas por tradições que nada dizem respeito a Jesus e ao Evangelho, ou caem no problema das interpretações, por vezes, bizarras.

A educação cristã é tão importante quanto à educação tradicional. Um povo analfabeto em termos de Bíblia refletirá um cristianismo distorcido e insipiente. O pior é que não há solução de curto prazo, pois cada vez mais as pessoas leem menos. Até nas igrejas as passagens são projetados em telões. Desta forma, nem mesmo na comunidade de fé o indivíduo lê o texto em sua própria Bíblia!

Abrir a Escritura foi uma das mais prazerosas experiências que tive na vida. Em minhas mãos, tenho mais do que um conjunto de livros, tenho um “ente relacional”, escritos que ganham vida, palavras que saltam das páginas e interagem comigo. Elas me confrontam, indagam, acalmam.

Em qualquer área do conhecimento humano é mister o aprofundamento teórico. Na vida cristã também é assim. O desconhecimento das verdades bíblicas tem consequências profundamente danosas à espiritualidade, sendo que a menos impactante delas é a formação de uma geração de fiéis totalmente “sem noção”. Seria, sem qualquer ofensa, a consagração das toupeiras!

Contudo, eu lhes pergunto: fazer o quê?

Carlos Moreira

1 comentários:

Rev Carlos Moreira, agradeço a Deus por sua vida. Obrigado por permitir que Senhor use sua vida para me abençoar e abençoar tantos outros com seus artigos e com seus aconselhamentos pessoais. Saudações fraternais em Cristo.

Mais Lidos

Barra de Vídeos

Loading...

Músicas

O Que Estamos Cantando

Liberdade de Expressão

Este Site Opera Desde Junho de 2010

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Visualizações de Páginas

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More