Pesquisar Neste blog

21 fevereiro 2011

Dormindo com o Inimigo


Adoro polêmica! Quem me conhece sabe disso. Pensar é preciso e, para que isso aconteça, nada como levantar reflexões a respeito de temas que mexem com o consciente e o inconsciente de todas as sociedades, inclusive a nossa.

Dentro desse contexto, uma temática cujo debate é extremamente complexo é a questão do sexo no casamento e quando ele se torna pecado, mesmo respaldado pelo contrato que foi assinado no cartório ou a benção concedida pela igreja.

Há tantos que se preocupam com o sexo antes do casamento que, não raro, acabam esquecendo que existe sexo também no casamento! Primeiramente, para falar sobre o assunto, é preciso conceituá-lo. Aqui vou utilizar a experiência de estar há 20 anos ouvindo casais com os mais diversos tipos de problemas e conflitos na área sexual, o que se constitui vasto material para podermos refletir.Com vistas a chegarmos a algum ponto de “iluminação” da consciência, vou tentar dizer, logo de cara, o que não é sexo. Será mais fácil assim...

Sexo não é coito, ou seja, não é o ato em si, com carícias, preâmbulos, penetrações e orgasmo. Os animais fazem isso, mas não desfrutam da grandiosidade daquilo que Deus planejou para nós, humanos. Coito, é parte do sexo, mas ainda não é sexo! Sexo é encontro de corpo, sim, mas também de alma e de espírito. Sexo é algo muito mais profundo e complexo do que a grande maioria de nós entende ou usufrui. O sexo começa no olhar, no desejo acalentado, pacientemente. Depois ele passa pelas afinidades, complementaridades . Em seguida, vem a questão da “química”, do cheiro, do gosto, das formas. E então, finalmente, vem a parte espiritual.

Sim, sexo é coisa muito espiritual! Aliás, é mais espiritual do que muitas outras que imaginamos. Por isso, fazer sexo com alguém de “outro espírito” é deitar-se com uma pessoa que tem em sua natureza diferenças importantes da nossa e isso, obviamente, tem implicações para muito além do que se pensa ou se vê.

Foi por isso que Paulo, tratando do tema em sua epístola aos Coríntios, falou de forma aberta sobre os desdobramentos de um tipo de sexo que é casual, aquele realizado com a prostituta.

Na verdade, o raciocínio de Paulo não se prende à figura da prostituta em si, mas está focado no que podemos denominar de “espírito de prostituição”. Pessoas transmitem “espíritos” quando se relacionam intimamente. Por isso, há uniões que contaminam a alma da gente para o mal, pois cada pessoa carrega sua própria carga de “energia”, e isso a partir do que se construiu no ser.

Se você quiser aprender alguma coisa boa sobre sexo no casamento, não precisa ler livros que dão conselhos sobre o tema, sobretudo esses que estão aí nas prateleiras e que são, em sua esmagadora maioria, baboseira pura.

Faça o seguinte: abra a sua Bíblia e debruce-se sobre o livro de Cantares. Ali está a mais linda poesia sobre o sexo, com metáforas das mais ousadas e pertinentes que farão um leitor atento e inteligente, que consiga ir além da “letra”, apropriar-se das alegorias e, assim, aprender muita coisa bonita e poética para a vida a dois. Mas este não é um texto sobre sexo, e sim sobre o fato de se estar casado e fazer um tipo de sexo que é pecado diante de Deus. Isso é possível e mais comum do que se imagina.

Para entrar de cabeça na questão, vou usar apenas um texto dos muitos possíveis, pois ele vai me ajudar a pontuar o assunto. “Não se recusem um ao outro, exceto por mútuo consentimento e durante certo tempo, para se dedicarem à oração. Depois, unam-se de novo, para que Satanás não os tente por não terem domínio próprio.” 1ª Co. 7:5. O texto é riquíssimo, mas vou usar apenas esta parte dele: “Não se recusem um ao outro, exceto por mútuo consentimento...”.

Em primeiro lugar, vamos esclarecer algo importantíssimo: não se “recusar um ao outro” não trata apenas da incidência da relação, ou seja, da agenda sexual, mas de algo com implicações mais profundas.

Diferentemente do que, talvez, a maioria pense, não se recusa o parceiro apenas quando se diz a ele: “hoje não”, seja por que motivo for. Essa é apenas a forma mais usual.

Na verdade, podemos recusar alguém de muitas maneiras, inclusive inconscientemente. Aliás, normalmente recusamos os nossos parceiros enquanto fazemos sexo com eles! Recusa é algo que acontece não só nas proibições físicas – “isso não; aqui não; desse jeito não; não gosto assim;...”, mas também em nível emocional. Nesse segundo caso, o problema é subliminar, pois a resistência fica “presa à alma”, e, por vezes, até ao intelecto.

Mas há ainda outra frase-chave nessa citação de Paulo e nós precisamos explorá-la melhor: “mútuo consentimento”. Sabe o que significa? Não é tão simples como talvez pareça. Não trata apenas de concordar sobre local e hora de fazer sexo, mas de algo muito mais profundo, ou seja, das práticas, acordos e brincadeiras que o casal se permite fazer quando está nesse nível de intimidade sem que nenhum dos dois se constranja, sinta-se desrespeitado.

Então, usando o texto de Paulo como uma referência, posso concluir que sexo entre um casal é algo que é feito sem privação ou subterfúgios, em bom português: sem enrolação! E posso também arrematar que esse sexo é feito de forma prazerosa e digna – uma vez que um busca o que dá mais satisfação ao outro – ou seja, resumindo: sexo é um encontro profundo de um ser com outro ser.

No casamento, as relações sexuais se tornam pecado quando são feitas sem interesse, quando um dos cônjuges está ali por “obrigação”, apenas para “esvaziar” o desejo retido do outro. Sexo é pecado quando eu o faço com minha mente “vagando” por outros “ambientes” ou, pior, quando ela projeta alguém naquela “cena” que ali não está, nem poderia estar, ou seja, quando faço amor com um(a) e, ao mesmo tempo, penso em outro(a).

Sexo é pecado quando eu não respeito os “limites” do meu parceiro (a), estando apenas na busca pelo meu próprio prazer – ainda que isso traga desconforto e até dor a ele (a). Isso quebra a “regra” da consensualidade; é pecado!

Sexo é pecado quando eu preciso de objetos de erotização exteriores para produzir excitação. Fantasia é algo bom e saudável quando não ultrapassa os limites do bom senso, pois até mesmo o que supostamente dá prazer pode viciar e levar a alma a pulsões cada vez mais insustentáveis, onde o limite acaba beirando o absurdo.

Hoje há tantos recursos para produzir fetiche, como réplicas de pênis e vagina, cilindros para introdução, máscaras, algemas, filmes com aberrações, chicotes, que o prazer acaba se transferindo do corpo das pessoas para as coisas periféricas.

A experiência mostra que o vício na pornografia tem o poder de diluir a alma das pessoas, pois cria uma pulsão inconsciente que, depois, só concede ao corpo o prazer se a fantasia artificial se fizer presente. Não se pode esquecer, todavia, que ela é um estimulante sensorial virtual, mas não real. Talvez Seja bom para “crianças”, mas para adultos...??
Sexo é pecado quando eu não dou prazer ao outro. A coisa mais comum com a qual lido em meus aconselhamentos é ouvir das mulheres que elas jamais tiveram um orgasmo com seus parceiros em anos de casamento.

E o marmanjão, desfilando impoluto, fica achando: “Esse cara sou eu”! É pecado! Mostra o descaso para com o outro, o egoísmo explícito no ato, a falta de maturidade que me leva apenas a buscar meus 15 minutos de prazer em detrimento do outro que está há anos e anos na míngua, no deserto da excitação, na aridez do gozo.

Bem disse o cantor e compositor Cazuza, em circunstâncias similares: trata-se mesmo de “solidão a dois”. E mais... é pecado!

Lin Yutang, escritor chinês, afirma que: “É a minha conclusão que no Ocidente se pensa muito no sexo e muito pouco nas mulheres”.

Acredito que, sem nos preocuparmos sinceramente com o prazer do outro, jamais seremos felizes na cama com aquele (a) a quem dizemos amar. E creia-me: milhares de separações poderiam ser evitadas se esse tema fosse enfrentado de forma corajosa. Mas fazer o quê? Tem gente que prefere sonhar com o amante e dormir com o “inimigo”...



Carlos Moreira

13 comentários:

A paz Carlos...
Bem, acho que ninguém te bombardeou por aqui ainda, nao sei se no Genizah foi diferente, hehehe.
Em todo caso, "infelizmente" não serei eu aquele que vai te esculachar pelo post, até porque concordo plenamente com suas palavras. Acredito que o que está fazendo a diferença para o lado negativo hoje em dia nos casamentos é a falta de diálogo franco e aberto. Não apenas nos casamentos mais em todas as relações humanas. O homem se fecha em seu mundinho, não confia em ninguém e deixa de abrir seu coração, demonstrar suas emoções e desejos (inclusive com sua esposa). Conheço uma série de relacionamentos que vão de mal a pior por causa essencialmente da falta de diálogo franco. Estamos vivendo em uma sociedade doente, onde o "eu" é o mais importante...

Deus abençoe.

parabéns, curto muito seus textos...

Este comentário foi removido pelo autor.

Parabéns pelo post! foi edificante! Mas eu tenho uma dúvida e queria partilha-la: Sou cristã...nascida na igreja e realmente uma serva do Senhor. Conheci um servo tembém e gosto muito dele, porém ele se divorciou há um tempo (porque foi traído) mas ele não saiu da presença do Senhor. Admito que tenho muito receio quanto a isso, pois mesmo lendo passagens sobre o tema na bíblia, ainda não estou completamente esclarecida do que Deus pensa sobre o caso de se eu e ele nos casarmos. Será um pecado, será que Deus condenaria este novo casamento? meu casamento não teria a benção dEle? não sei o que pensar sobre isso. Me ajude. (seja sincero rsrs.) Seria até interessante fazer um post sobre o tema...porque muita gente tem dúvida. Muito obrigada.

Prezada Kelly,
Sua resposta via blog torna-se impossível. Se desejar, me ligue para podermos conversar. Sou pastor e, talvez, possa ajudar. mande um e-mail para moreira@m2m.com.br que eu lhe passo o telefone.

Carlos Moreira

Como a Kelly, acredito que há infinitas pessoas, nessa situação.
Bem O Sr. tem seus motivos em não respondê-la via blog, o que respeito com toda sinceridade.Mas, acredito,que seu ponto de vista,poderia ajudar a muitos, a encontrarem na Bíblia certas elucidações.- No caso o adultério é, o único caso mencionado que pode dar lugar ao divórcio, se o perdão não for concedido. Sendo assim com quem se casará, o ou (a) divorciado (a) vítima?

Pastor, excelente texto!
Essa semana fiquei muito triste quando ouvi das senhoras casadas da minha igreja que a mulher tem que fazer sexo com seu marido sempre (mesmo quando eles se desentenderam) e fazer tudo o que ele quer, porque caso contrário ele procura na rua e troca a esposa por outra.
Isso dito por cristãs casadas com cristãos num grupo de mais 10 pessoas como se fosse a coisa mais natural do mundo. Fico me perguntando onde foram parar os valores bíblicos e me entristeço por essas senhoras viverem dessa forma.

Muito bom o texto. Aos que são "nascidos na fé", muitas vezes o tema da sexualidade é visto como um tabu. Quando se está solteiro, o sexo é um "pecado-tema mortal" e ao casar, de repente, virá "uma benção". Na cabeça de muitos casais recém-casados faz-se aí um verdadeiro nó. E o pior, ao contrário do que se pensa, o tabu permanece. Lamentável. Como usufruir plenamente de uma benção sem ter o claro discernimento acerca do que ela representa?
Encontrar 'espaços públicos' como este que trate do tema de forma tão simples e ao mesmo tempo bem respaldada é fundamental.
Parabéns.

Abraço!

Este texto para mim é inigualável em seu gênero, resumido mas primoroso.

Parabéns!!!

Excelente, pertinente, equilibrado, informativo, enfim tudo de bom esse artigo. Parabéns pela lucidez e pelo dom divino de trazer à luz um tema tão polêmico e tão mal interpretado em nosso meio. Que O SENHOR o abençoe e sejas sempre sal da terra e luz do mundo!
Fraternal abraço1
Márcia

Sexo é nojento. Odeio sexo. Desde a infancia me apresentaram o sexo xomo uma coisa nojenta e porca, cresci com essa ideia. Passo dos 30 anos e nunca fiz e nem vou fazer. TENHO NOJO

GRAÇA E PAZ.

CARLOS, GOSTEI MUITO DO SEU TEXTO EM RELAÇÃO AO SEXO. NUNCA VI NINGUÉM COMENTAR O TEXTO BIBLICO COM TANTO DETALHES QUE SERVI PARA CRESCIMENTO ESPIRITUAL. O TEMA REALMENTE É POLEMICO, MAS ACHO QUE VC FEZ UM BELISSIMO COMENTÁRIO, ORIENTAÇÃO, ACONCELHAMENTO DE UM ASSUNTO QUE MUITOS QUEREM FECHAR OS OLHOS. QUE DEUS CONTINUE TE ABENCOANDO.

Mais Lidos

Barra de Vídeos

Loading...

Músicas

O Que Estamos Cantando

Liberdade de Expressão

Este Site Opera Desde Junho de 2010

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Visualizações de Páginas

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More