Pesquisar Neste blog

16 janeiro 2011

Celulites na Noiva de Cristo: os efeitos indesejáveis do modelo celular


Recebi recentemente um e-mail de alguém descontente com o modelo celular implantado em sua igreja. Por achar pertinentes as questões por ele levantadas, resolvi usá-lo em um artigo sobre o tema. Ei-lo abaixo:
Há algum tempo tenho andado triste com algumas coisas que têm acontecido em minha congregação. O trabalho lá é celular e, como tal, a meta é que sejam formados e enviados mais e mais líderes de células. Porém, o meu entendimento é de que alguém que lidera uma célula é, na prática, um pastor, pois tem que cuidar, de e discipular pessoas - e isso, no meu entendimento, é um dom do Espírito. Tenho a certeza absoluta de que não tenho chamado para a vocação pastoral, por isso nunca me prontifiquei e nem quero ocupar tal cargo na igreja, porque o que gosto de fazer é ensinar. Sendo assim, por não me prontificar a fazer o que a liderança considera aquilo que todos têm que fazer, fui posto de lado (acho que sou considerado algum tipo de rebelde, pois por muitas vezes contestei esse ponto de vista com a liderança, o que percebo deixar meu pastor aborrecido). Até aí tudo bem, pois não sou obrigado a fazer aquilo que não me sinto bem em realizar. A gota d'água ocorreu ontem, quando fui questionar meu pastor a respeito de uma decisão tomada pela liderança da igreja: a partir deste ano, não mais teremos os cultos matutinos, pois antes havia a escola bíblica seguida do culto. Esta escola bíblica (chamada de ESCOLA DE DISCÍPULOS) consiste na ministração de três apostilas durante todo o ano, as quais já estudei. Espera-se que, nos anos subsequentes, haja novos estudos que abordem novos pontos para nossa edificação espiritual. Mas, nos anos seguintes são ministradas as mesmas apostilas, com os mesmos estudos. Então comuniquei a ele que quero e preciso me alimentar mais da Palavra (nos cultos da manhã, pelo menos, eram pregadas mensagens de edificação para igreja; agora nem mais isso) e que vou passar a frequentar a EBD de alguma congregação de minha cidade, e a sua resposta foi que eu preciso entrar na "visão", porém sou livre para fazer o que eu quiser e para frequentar a EBD que eu bem entender. Hoje em dia, o argumento mais utilizado para desestimular aquele que deseja aprofundar-se no estudo da Palavra é o de que "a letra mata". Meu irmão, desculpe-me a expressão, mas estou de saco cheio disso, desestimulado até em continuar ali. Será que é algum crime o querer conhecer as Escrituras, o buscar o entendimento na Palavra daquilo que o Senhor Deus quer para a minha vida? Será que sou algum rebelde em não concordar com alguns pontos dessa "visão que Deus deu para o ministério"? Amado, desculpe o desabafo, mas preciso de uma palavra.

Acredito que a formação de pequenos grupos pode ser salutar para toda a congregação. Apesar da Bíblia referir-se a cada um de nós como membros do Corpo de Cristo, e não como células. E no caso, chama-se “célula” o pequeno grupo, e não o indivíduo em si. Ora, se o grupo é uma célula, o indivíduo é o que? Uma molécula? rs

Bricandeiras à parte, tenho visto o grande estrago que tem sido feito em muitas igrejas por conta de uma aplicação errônea dessa ‘visão’. Se o objetivo fosse tão somente de comunhão, ou mesmo, evangelístico, tudo bem. O problema é que se coloca sobre cada membro da célula a expectativa de tornar-se também líder de seu próprio grupo. E como você mesmo disse, nem todos são chamados para isso. Tal expectativa acaba se tornando numa opressão.

Será que Maria Madalena, que seguia de perto o Mestre, tornou-se líder de doze? Será que cada um dos apóstolos teve que formar seu próprio colégio apostólico com outros doze? Onde está escrito que Paulo liderava um grupo de doze?

Tenho percebido pelo menos dois efeitos colaterais em igrejas que adotaram tal estratégia de crescimento: a produção de células cancerígenas, e de celulites e estrias.

Deixe-me explicar cada um desses efeitos:

Células cangerígenas – Acredito que devemos abandonar a analogia celular e voltar à analogia bíblica dos membros do corpo. Por que digo isso? Simples. Porque as células são sempre uniformes. Se reproduzem uniformemente. E quando ocorre alguma anomalia, é porque produziram células cancerígenas.  O câncer é uma doença caracterizada pela produção de células que crescem e se dividem sem respeitar os limites normais, invadem e destroem tecidos adjacentes, e podem se espalhar para lugares distantes no corpo, através de um processo chamado metástase. Imagine o estrago que uma “célula cancerígena” pode produzir no corpo de Cristo! Paulo chama a atenção de Timóteo para o fato de que havia se introduzido na igreja pessoas cuja palavra “corrói como câncer” (2 Tm.2:17). O problema se agrava quando tais pessoas são elevadas ao posto de liderança. O modelo celular insiste em que cada discípulo deve aspirar à liderança, criando sua própria célula. Por conta disso, muitas divisões tem ocorrido em igrejas antes sadias. Se em vez de adotarmos a analogia de células, voltarmos à analogia bíblica de membros, perceberemos que nem todos são vocacionados para servirem como líderes. Basta conferir 1 Coríntios 12:12-31. Uns são chamados para serem ‘mãos’, outros ‘pés’, outros ‘boca’, e assim por diante. Porém, todos têm valor no contexto do corpo, e devem situar-se numa relação de interdependência. Imagine se todos fossem ‘olhos’, quem os socorreria na hora em que fossem invadidos por um cisco?

Células canceríginas são autofágicas, isto é, devoram-se umas as outras. Isso já acontecia entre os crentes primitivos. Como disse o escritor de Eclesiastes, não há nada novo debaixo do sol. Paulo repreende os gálatas por estaremos devorando-se uns aos outros (Gl.5:15). Um modelo que insiste com a ideia de que todos devem ser líderes, acaba por estimular a competitividade entre seus membros.

E o que é que causa o aparecimento de células cancerígenas? Entre vários fatores, quero destacar o consumo de comida enlatada. Alguns, no afã de alimentarem bem seus ‘discípulos’, saem em busca de novidades, e encontra nas prateleiras dos mercados religiosos todo tipo de teologia enlatada, ora ‘made in USA’, ora ‘made in Colombia’, ou ‘Coréia’, ou ‘Europa’, e assim por diante. Ovelhas preferem e precisam de capim fresco, tirado direto do solo, sem conservantes, nem qualquer outra química.

Celulite e estrias – Ora, o apóstolo Paulo diz que “Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela, para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra, a fim de apresentá-la a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível” (Ef.5:25b-27). Deixe-me aproveitar que Paulo usou a expressão “coisa semelhante”, para acrescentar aqui celulites eestrias.

Imagine a noiva de Cristo cheia de celulite e estrias! Pois o modelo celular, da maneira como tem sido implementado nas igrejas, tem produzido exatamente isso.

O fato é que a igreja, em vez de crescer, engordou, tornou-se obesa, e o pior é que, pelo jeito, trata-se de obesidade mórbida.

celulite é caracterizada principalmente pelo aparecimento de ondulações da pele, dando a esta o aspecto de casca de laranja. Entre as causas da celulite, destacamos a alimentação e a vida sedentária. Troca-se a boa comida caseira pelos fastfoods. Abandona-se os cultos na igreja, limitando-se a frequentar as reuniões celulares. Os pequenos grupos começam a ser visto como um fim em si mesmos, produzindo um tipo de sedentarismo espiritual.

Já as estrias caracterizam-se por um rompimento das fibras elásticas que sustentam a camada intermediária da pele, formada por colágeno e elastina (responsáveis pela sua elasticidade e tonicidade). Podem surgir de diversas formas, dentre elas: o efeito sanfona e o crescimento rápido.

Talvez o que tem contribuído para que igrejas adotem este modelo seja justamente a promessa de crescimento rápido. Mas o que ele realmente produz é inchaço, e não crescimento (1 Co.4:19; 5:2). Ora, quando um membro incha, é sinal de que algo está errado no organismo. Um crescimento saudável demanda tempo, empenho, perseverança. Não há fórmulas mágicas. Basta um alimento saudável, extraído da boa e fiel Palavra de Deus, e um ritmo de vida antisendentário, em que os membros sejam incentivados a darem testemunho de sua transformação lá fora e a estenderem as mãos aos necessitados deste mundo. Daí, é só esperar. Um planta, outro rega, mas é o próprio Deus quem Se responsabiliza em promovero o crescimento (1 Co.3:6).

Hermes Fernandes via Hermes Fernandes

1 comentários:

Excelente texto. Concordo com tudo, mas gostaria de destacar 2 pontos que achei serem os melhores. O Câncer como consequência de alimentação não sadia e as estrias dado o crescimento rápido.

Parabéns. VOu "roubar" a idéia e escrever algo em meu blog. MAs prometo fazer alusão à fonte.

Mais Lidos

Barra de Vídeos

Loading...

Músicas

O Que Estamos Cantando

Liberdade de Expressão

Este Site Opera Desde Junho de 2010

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Visualizações de Páginas

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More