Pesquisar Neste blog

12 agosto 2009

Vem e Vê!


Para mim, Deus tem um estranho e maravilhoso senso de humor. Não raro, faz escolhas surpreendentes e toma decisões desconcertantes. Digo isto depois ter me debruçado durante anos sobre as Escrituras vendo nelas fatos curiosos e, por vezes, bizarros, punk mesmo! Pareço radical? Então veja a seguir uma “pitada” do que afirmei.

Deus fez a um homem amortecido pela idade, Abraão, casado com uma mulher estéril, a promessa de que seria pai de uma grande nação. Humor negro? Depois disto, apaixonou-se inexplicavelmente por Jacó, um trambiqueiro sem-vergonha, e aborreceu-se de seu irmão, Esaú, que, diga-se de passagem, era o primogênito. Não satisfeito com tudo isto, chamou Moisés, com nada menos que 80 anos, aposentado e palitando os dentes, criando galinha e cortando as unhas dos pés, para enfrentar o poderoso Faraó do Egito e ser protagonista da maior jornada do povo Hebreu. Aí Aquietou-se um pouco mas, logo em seguida, teve outra “inspiração”: mandou o profeta Samuel ungir como Rei de Israel, Davi, um menino franzino e de boa aparência que cuidava das ovelhas do pai no campo.

Jesus também não ficou a dever. Subverteu toda a lógica humana! De cara, chamou Mateus, um publicano, com todas as implicações inerentes, para fazer parte de sua “equipe ministerial”. Ao visitar a região de Gedara, transformou um endemoninhado num pregador do Evangelho. Em Cafarnaum afirmou que o Centurião Romano, que estava com o servo adoentado, tinha mais fé do que toda a moçada da religião de Israel e, de outra feita, falando por parábola, disse que o Samaritano era o único que, indo pelo caminho, construía um caminho com Deus.

A verdade é que o “Totalmente Outro” não parece estar preocupado com aquilo que as pessoas são, mas, com o que elas podem vir a ser. Ao contrário de nós, que sempre focamos na aparência, nas potencialidades, no currículo, no “pedigree espiritual”, Deus foca no coração, no que está encoberto aos olhos naturais.

Assim foi com Abraão, que creu que podia ser um patriarca mesmo contra todas as evidências. O mesmo se deu com Jacó, que subornou Esaú e mentiu para Isaque, pois entendia que a primogenitura era algo decisivo na vida. Não foi diferente com Moisés, que superou as limitações pessoais e o comodismo e foi encarar 40 anos de deserto e 1 milhão de pessoas para gerir. Finalmente Davi, mesmo tendo adulterado e assassinado seu general, quando confrontado, não se esquivou de suas responsabilidades, mas arrependeu-se, por isso era um “homem segundo o coração de Deus”. Estou certo: Deus não nos vê como somos, mas, como poderemos vir a ser!

“Perguntou-lhe Natanael: De Nazaré pode sair alguma coisa boa? Respondeu-lhe Filipe: Vem e vê”. João 1:46.

Filipe havia visto Jesus pregar e fazer milagres. Seu coração havia se compungido e ele sentira que ali estava o Filho de Deus, o Messias esperado. Sua reação imediata foi correr e contar todos os fatos ao seu irmão Natanael. Este, ao ouvir o relato empolgado de Filipe, exclamou: “ô brother: daquela terrinha lá não sai coisa boa não!”. O estigma social, cultural e religioso já estava posto há gerações. A Galiléia não era um “celeiro de profetas”. Todos sabiam que aquela região nunca produzira algo significante na história do povo de Israel. Mas Deus tem um senso de humor extravagante! Imagino-o dando boas risadas nos céus dos céus e dizendo: “tolinhos... Posso fazer o bem e produzir o que é bom da maneira como bem entender. Não me importa os condicionamentos, a aparência, o previsível, a lógica, o óbvio, ou qualquer outra coisa.”...

Chegamos a você... Talvez uma pessoa cheia de conflitos, de medos, de inseguranças. Talvez tenha sempre uma desculpa para não ser quem Deus gostaria que você fosse. Quem sabe está se escondendo atrás de uma limitação pessoal, como Moisés, que era gago, ou talvez esteja um pouco passado da idade, como Abraão, sentindo-se cansado. Talvez seja muito imaturo, como Davi, e não queira assumir responsabilidades, ou ainda seja alguém como Jacó, com desvios de caráter. Não sei se você possui traumas familiares, ou marcas de violência, se está depressivo, pessimista ou melancólico. Quem sabe está desempregado, ou fracassou no casamento, se sinta inculto, ou feio, está endividado, mal resolvido, mal amado. No fundo, que importa quem você é! Importa, sim, quem Deus deseja que você possa vir a ser!

Como pastor tenho conversado com muitas pessoas. Vejo em suas faces todas as dores que a vida produziu, pois aprendi que as marcas marcam mais do que os marcos. Muitas delas estão definhando pela existência, arrastando um fardo insuportável. Sentem-se como se estivessem fadadas ao fracasso, vitimizadas por um karma irreparável.

Como um bom ouvinte, tenho tentado olhar para além daquilo que é perceptível... Por trás destas dores estão, não raro, as críticas mordazes de um pai irritadiço, ou o desprezo de uma mãe insensível. Certas “confissões” produzem um prejuízo incalculável à alma humana. Pessoas nestas circunstâncias acabam se projetando, como hologramas, para incorporarem aquilo que foi “profetizado”. “Você não vai ser ninguém”, diz o chefe. “Você não vai conseguir”, diz o marido. “Você não vai superar”, diz a “amiga”. E de dizer em dizer o ser vai se diluindo.

Existem também questões de outras naturezas. É a situação social, a cor da pele, o bairro onde se foi criado ou o colégio onde estudou. São fatores aparentemente limitantes, “karmas de prateleira”, desígnios supostamente insuperáveis do destino. Tudo bobagem! Todas estas coisas têm os seus pesos próprios e, sob determinadas circunstâncias, podem provocar estragos, não tenha dúvidas, mas quero hoje lhe afirmar, de forma categórica, que não será nada disto que determinará o teu caminho na existência.

Por isso, não importa quem você é, nem de onde veio, se tem estudo ou não, se é bonito ou feio, ou se tem algum problema físico. Não importa se não tem recursos, ou se nunca teve uma chance, não importa se já roubou, ou se já matou, ou se traiu, subornou, não importa nada disso, pois, se você desejar, do fundo do coração ser diferente, Deus pode lhe transformar em alguém que você jamais imaginou ser.

“Torna-te aquilo que és”. Nietzsche.

Você não foi criado para ser um desastre! Deus não te trouxe a existência para que você existisse sem significado ou propósito. Ele tem um projeto para você, algo pensado antes da fundação do mundo, por isso, mediante o Espírito de Deus, você pode tornar-se aquilo para o qual foi concebido.

Assim, desta perspectiva, os dramas da vida passam a ter novo significado, tornam-se como sementes plantadas no jardim da nossa história, pois visam, em última instância, nos fazer pessoas melhores, parecidas com Jesus.

Eu sei que isto é possível, pois foi assim comigo... Quando era criança, algumas pessoas diziam: “esse menino não vai dar para nada”. Durante muito tempo este fantasma me perseguiu, produzindo seus próprios estragos em minha alma. Mas um dia eu conheci a Jesus, e o que para mim parecia impossível, tornou-se realidade.

Hoje, depois de tudo o que experimentei, depois do que Ele fez em mim e está fazendo por meu intermédio, posso apenas afirmar, caso estas palavras lhe façam algum sentido: “Vem e Vê!”.

Sola Gratia!

Carlos Moreira

0 comentários:

Mais Lidos

Barra de Vídeos

Loading...

Músicas

O Que Estamos Cantando

Liberdade de Expressão

Este Site Opera Desde Junho de 2010

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal. Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX). Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença". Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias. Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Visualizações de Páginas

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More